Procuradoria belga informa que operações continuam em vários pontos do país

(Atualiza com mais detalhes).

Bruxelas, 22 mar (EFE).- O procurador federal da Bélgica, Frédéric van Leew, informou nesta terça-feira que as forças da ordem estão realizando operações e interrogatórios em diversos pontos do país na busca por um homem, que se suspeita que pode ser o terceiro terrorista do comando que atacou o aeroporto de Bruxelas.

Além disso, as forças de segurança belgas encontraram uma bomba, produtos químicos e uma bandeira do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) durante uma busca realizada em uma casa no distrito bruxelense de Schaerbeek, segundo informou a procuradoria federal da Bélgica em comunicado.

O comunicado também detalha que era "uma bomba com parafusos, entre outros elementos, assim como produtos químicos".

As autoridades belgas assinalaram ainda que a investigação segue aberta.

Van Leew, que falou à imprensa junto ao primeiro-ministro, Charles Michel, afirmou que a polícia tem uma foto com três homens, suspeitos de serem os autores do ataque contra o aeroporto, que deixou 14 mortos e uma centena de feridos.

Na explosão que aconteceu posteriormente na estação de metrô de Maalbeek, foram contabilizados outros 20 mortos e quase outra centena de feridos. No total, os dois atentados mataram 34 pessoas e feriram cerca de 200.

"Dois, provavelmente, cometeram um ato suicida. O terceiro está sendo ativamente procurado", declarou Van Leew.

Van Leew afirmou também que "o departamento de luta antiterrorista da procuradoria Federal abriu uma investigação e foram nomeados três procuradores especializados em terrorismo", ao mesmo tempo em que declarou que as procuradorias de Bruxelas e Vilvoorde já realizaram vários interrogatórios.

Desde primeira hora da tarde vazaram informações sobre operações antiterroristas na região próxima à praça Louise de Bruxelas, perto da estação de metrô Maelbeek, onde aconteceu um dos atentados, e nos arredores da estação de Schaerbeek.

O procurador federal indicou que se está verificando a reivindicação dos atentados por parte do EI e, a esse respeito, considerou que "ainda é cedo demais para estabelecer um vínculo formal com os atentados de Paris" do último dia 13 de novembro.

Van Leew também confirmou que no aeroporto houve duas explosões, e que outras deflagrações foram escutadas ali mais tarde lá e se deveram à ação dos agentes para neutralizar um terceiro artefato. EFE

ac/rsd

(foto)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos