ONU prevê que 700 mil civis devem fugir de Mossul em ofensiva contra o EI

Genebra, 29 set (EFE).- A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) disse nesta quinta-feira que está preparando os últimos detalhes para poder acolher até 700 mil pessoas que devem fugir de Mossul, no norte do Iraque, após a ofensiva do exército iraquiano, que pretende recuperar a cidade ocupada pelo Estado Islâmico (EI).

Estima-se que nessa cidade vivem entre 2,2 e 2,5 milhões de pessoas, e o Acnur considera que, após o ataque de reconquista da cidade, cerca de 700 mil civis devem fugir dos combates.

Para acolhê-los, a Acnur está montando 11 campos de refugiados, alguns dos quais já estão prontos, enquanto outros ainda estão em fase de planejamento, já que a ONU não conta com terrenos disponíveis para construí-los.

"Precisamos de grandes quantidades de terreno. E isso não é fácil de conseguir, porque muitas são terras particulares", disse em entrevista coletiva Brudo Geddo, representante da Acnur no Iraque.

Além disso, o funcionário internacional lembrou que o tempo pressiona, já que é muito difícil construir um campo e a ofensiva do exército pode ocorrer nas próximas semanas.

É por isso que a Acnur também está colocando barracas em lugares próximos a Mossul, enquanto constroem os campos, para montar alojamentos de emergência onde será possível acolher os primeiros deslocados.

"A ideia é que os acampamentos acolham os deslocados por um longo período e que as barracas funcionem como alojamentos de emergência", explicou Geddo.

De todas as formas, o maior problema é a falta de recursos financeiros, já que do total de US$ 196 milhões solicitados pela Acnur para fazer frente a esta emergência, a entidade só conseguiu 33%.

"E isso considerando que o êxodo já começou", lamentou Geddo.

De acordo com os dados da Acnur, desde maio, quando foi confirmado que o exército iniciaria uma ofensiva para retomar a cidade das mãos dos jihadistas, mais de 65 mil pessoas fugiram de Mossul e foram acolhidas pela entidade.

"Necessitamos do dinheiro agora, não vai adiantar se os doadores começarem a fornecer recursos quando a crise já estiver na tela da televisão", advertiu Geddo.

O representante da Acnur no Iraque opinou que a tomada da cidade não será fácil e que teme que os jihadistas do EI usem os civis como "escudos humanos".

No entanto, Geddo disse estar esperançoso de que a tomada de Mossul será o prelúdio do fim do EI e que os iraquianos poderão desfrutar de um longo período de paz e estabilidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos