Presidente filipino não elogiou Hitler, segundo seu porta-voz

Manila, 1 out (EFE).- O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, não quis elogiar Adolf Hitler nem dar o Holocausto como modelo para sua violenta campanha contra o narcotráfico, que em três meses causou milhares de mortos, segundo disse hoje seu porta-voz.

Duterte gerou uma nova controvérsia ao declarar na sexta-feira que "gostaria de massacrar" os três milhões de drogados que há no país, tal como o líder nazista fez com milhões de judeus, para "salvar a próxima geração da perdição".

As declarações provocaram a apresentação de um protesto formal da Alemanha perante a embaixada filipina em Berlim, a rejeição da ONU e críticas dos Estados Unidos, que as qualificou de "profundamente perturbadoras".

O porta-voz da presidência filipina, Ernesto Abella, comentou as palavras de Duterte, as quais qualificou como uma referência "oblíqua" a Hitler e ao Holocausto.

"As Filipinas reconhecem o profundo significado da experiência judia e sua trágica e dolorosa história. Não queremos diminuir a profunda perda de seis milhões de judeus no Holocausto", declarou Abella à emissora de rádio estatal "DZRB".

"Foi uma conclusão oblíqua na qual, se o Holocausto foi uma tentativa de exterminar a futura geração de judeus, as mortes (da campanha antidroga) que lhe são atribuídas, resultarão, em qualquer caso, na salvação da próxima geração de Filipinos", concluiu Abella. EFE

fil/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos