Topo

Presidente francês concede perdão a mulher presa por matar marido que a maltratava

Jacques Demarthon/AFP
Ativista do Femen protesta pela libertação de Jacqueline Sauvage, em Paris (França) Imagem: Jacques Demarthon/AFP

Em Paris

2016-12-28T15:17:00

28/12/2016 15h17

O presidente da França, François Hollande, concedeu nesta quarta-feira (28) o indulto total a Jacqueline Sauvage, uma mulher que em 2012 matou o marido após sofrer 47 anos de maus-tratos e que se transformou em um símbolo da luta contra a violência machista no país.

O Palácio do Eliseu indicou em comunicado que a decisão foi tomada em aplicação do artigo 17 da Constituição francesa e em consulta com o Ministério da Justiça, e detalhou que esta medida põe fim de forma imediata à prisão.

"O presidente da República considerou que o lugar da senhora Sauvage já não é a prisão, mas a sua família", afirmou a presidência francesa.

Sauvage, que em janeiro de 2015 viu Hollande reduzir a pena de dez anos de prisão, teve sistematicamente recusados até então os pedidos de libertação com o argumento de que ainda foi não reconhecida a gravidade e a voluntariedade de seu ato.

O presidente francês a perdoou parcialmente de dois anos e quatro meses de pena à época, o que a permitiria solicitar a liberdade condicional, mas os tribunais não tinham autorizado o procedimento.

O caso de Sauvage conta com um grande apoio popular e de várias celebridades e políticos e se transformou em símbolo para as pessoas que pedem que os maus tratos possam ser considerados motivo de legítima defesa, atenuante que não foi levado em conta no julgamento.

Para Valérie Boyer, integrante do comitê de apoio, o anúncio "envia um sinal às mulheres condenadas por violência doméstica", e faz justiça em relação a uma sentença, ditada em dezembro de 2015, que segundo sua opinião era "extremamente dura" dados os anos durante os quais foi maltratada.