Turquia confirma que não aceita milícias curdo-sírias em processo de paz

Istambul, 30 dez (EFE).- A Turquia não quer que as milícias curdo-sírias Unidades de Proteção do Povo (YPG, sigla em curdo) participem da nova rodada de negociações de paz para a Síria, que está prevista para o fim de janeiro em Astana, no Cazaquistão, confirmou nesta sexta-feira em Ancara o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlüt Çavusoglu.

O chefe da diplomacia turca destacou que, desde o princípio, a Turquia deixou claro para a Rússia que as YPG "não deveriam estar envolvidas no processo em Astana", informou o jornal "Hürriyet Daily News".

O governo turco atribui às YPG a intenção de criar um Estado independente no norte da Síria, apesar de a organização jamais ter declarado que tem esse objetivo, e as considera uma organização terrorista vinculada ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, sigla em curdo), a guerrilha curda na Turquia.

Além disso, Çavusoglu afirmou que, com a excessão de organizações terroristas como o Estado Islâmico (EI), nenhuma parte envolvida no conflito está excluída do processo de paz.

Nesse contexto, o ministro considerou que "se as YPG abandonarem as armas e apoiarem a unidade territorial da Síria, poderão, inclusive, ser parte de uma solução integral".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos