Manifestação contra violência policial termina com distúrbios em Paris

Paris, 23 fev (EFE).- Uma manifestação estudantil em Paris contra a violência policial, após a polêmica agressão contra um jovem negro na periferia norte da capital no início deste mês, acabou nesta quinta-feira com enfrentamentos entre os jovens e as forças de segurança, que os dispersaram utilizando gás lacrimogêneo.

Mil estudantes se manifestaram sem autorização na Place de la Nation (Praça da Nação, em português) na capital francesa, após a convocação de várias associações para que não comparecessem às aulas.

Antes, os manifestantes tinham impedido a entrada dos alunos em algumas escolas da capital, cujas portas apareceram bloqueadas por lixeiras empilhadas.

A manifestação se desenvolveu de forma pacífica em um primeiro momento, mas as forças de segurança mobilizaram um grande dispositivo da tropa de choque.

Um grupo de jovens, encapuzados e vestidos com roupas pretas, começou a fazer pichações, a quebrar algumas vitrines da praça e a lançar objetos contra os policiais, que responderam com gás lacrimogêneo.

Os manifestantes levavam cartazes e bandeiras com palavras de ordem contra a polícia e pediam "vingança" pela agressão sofrida por Théo Luhaka, que foi torturado após ser detido no último dia 2 em Aulnay-sous-Bois e teve que ser operado com uma lesão no canal anal.

O jovem negro de 22 anos assegurou que um dos agentes o violentou com seu cassetete, o que causou a lesão.

A Justiça francesa abriu uma investigação e indiciou os quatro policiais que participaram da operação por atos violentos e um deles por estupro.

A notícia provocou grande repercussão na periferia de Paris, onde ocorreram nas noites seguintes enfrentamentos com a polícia, destruição de mobiliário urbano e alguns carros foram incendiados.

O governo multiplicou os pedidos de calma, temendo que os acontecimentos escalassem para uma onda de violência e depredação, como aconteceu em 2005, quando as autoridades foram obrigadas a decretar o toque de recolher.

Em plena campanha para as eleições presidenciais de abril, a candidata de extrema-direita Marine le Pen, favorita para o primeiro turno, acusou o Executivo de ser brando demais com os manifestantes e de não defender os policiais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos