Protestos após cassação da presidente sul-coreana deixam 2 mortos em Seul

Em Seul

  • Kim Hong-Ji/Reuters

    Apoiador de Park Geun-hye é atendido depois de passar mal durante protesto em Seul

    Apoiador de Park Geun-hye é atendido depois de passar mal durante protesto em Seul

Pelo menos duas pessoas morreram nesta sexta-feira (10) enquanto participavam das manifestações em Seul em protesto pela cassação da presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, segundo informações da polícia para a agência de notícias "Yonhap".

Um dos mortos é um idoso de 72 anos, que morreu a caminho do hospital por causa dos ferimentos que sofreu na cabeça, de acordo com informações das forças de segurança.

O homem foi encontrado inconsciente perto da sede do Tribunal Constitucional, cujos membros ratificaram nesta sexta o impeachment da presidente Park, aprovado pelo Parlamento devido à sua ligação com o caso de corrupção da "Rasputina".

O segundo morto é um homem de 60 anos que também foi encontrado inconsciente próximo ao tribunal.

A polícia afirma que há outros dois feridos, enquanto os organizadores da manifestação pró-Park disseram à "Yonhap" que pelo menos oito manifestantes sofreram lesões.

Após a leitura do veredicto, começaram violentos confrontos entre a polícia e os partidários da agora ex-presidente sul-coreana, na frente da sede do tribunal e nas proximidades da Avenida Sejong.

Mais de 21,6 mil agentes isolam a máxima instância judicial sul-coreana, a Casa Azul, a sede da presidência e outros edifícios governamentais da capital por causa das manifestações contrárias e favoráveis a Park convocadas para hoje.

Com a cassação, Park, que os promotores consideram suspeita no caso, perdeu sua imunidade e a Coreia do Sul é obrigada a realizar novas eleições presidenciais em até 60 dias.

O veredicto de hoje representa a primeira destituição de um chefe de Estado e a primeira antecipação do pleito na Coreia do Sul, desde que o país voltou a realizar eleições democráticas em 1987 após o mandato de duas juntas militares (uma das quais liderou o general Park Chung-hee, pai de Park Geun-hye).

A maioria dos sul-coreanos mostrou ser favor a cassação de Park, segundo diversas pesquisas divulgadas.

Amizade de presidente gera escândalo na Coreia do Sul

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos