Embaixadora dos EUA na ONU diz que Constituinte é um passo para a ditadura

Nova York, 30 jul (EFE).- A embaixadora dos Estados Unidos perante a ONU, Nikki Haley, considerou neste domingo que a eleição da Assembleia Nacional Constituinte (ANC) realizada pelo governo de Nicolás Maduro é "outro passo para a ditadura" na Venezuela e expressou sua rejeição a um executivo "ilegítimo" nesse país.

Em uma mensagem no Twitter, a diplomata qualificou de "falsas" as eleições convocadas por Maduro sem referendo prévio e a partir das quais mais de 500 membros eleitos da ANC redigirão uma nova Constituição e terão faculdades para reordenar o Estado.

"A eleição falsa de Maduro é outro passo para a ditadura. Não aceitaremos um governo ilegítimo. O povo da Venezuela e sua democracia prevalecerão", escreveu Nikki.

A embaixadora defendeu na semana passada as sanções anunciadas pelos EUA contra 13 funcionários e ex-funcionários venezuelanos e avisou que seu governo estudará mais medidas se Maduro seguir adiante com os planos de realizar a ANC.

"Os EUA fizeram uma promessa aos venezuelanos quando dissemos que não íamos ficar à margem e ver como o regime de Maduro continua tratando brutalmente os seus cidadãos e destruindo sua democracia", apontou Nikki na última quarta-feira.

Neste domingo, o "The Wall Street Journal" publicou que os EUA pretendem ampliar ao setor petrolífero da Venezuela as sanções que vêm aplicando ao país, devido à convocação da Constituinte.

A votação da ANC ocorre em meio a uma onda de protestos contra o governo venezuelano que já dura quatro meses e deixou 117 mortos, contando com as oito pessoas que morreram neste domingo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos