PUBLICIDADE
Topo

Dalai lama comemora aniversário junto com milhares de seguidores na Índia

06/07/2018 07h35

O 14º dalai lama, Tenzin Gyatso, comemorou nesta sexta-feira seu aniversário de 83 anos cercado de milhares de seguidores na cidade de Leh, no norte da Índia, onde falou sobre a importância do amor, da compaixão e da tolerância entre religiões para se conseguir uma transformação pacífica no mundo.

Em um vale entre as montanhas do Himalaia na região de Ladakh, o sempre jovial dalai lama pediu aos jovens que divulguem sua mensagem de "harmonia e paz", já que "para transformar o mundo devemos começar com ações individuais".

"Todo mundo deveria fazer algo para contribuir para a paz", disse o líder espiritual tibetano.

O dalai lama agradeceu aos presentes pelo seu carinho e lhes animou a serem "compassivos", pois ficar com raiva ou ser infeliz "perturba a saúde física além da mental", explicou.

Seus seguidores, entre os quais estavam estudantes e centenas de monges budistas vestindo túnicas carmesins, escutaram durante várias horas os parabéns de diferentes personalidades, como a do chefe do Governo tibetano no exílio, Lobsang Sangay, que se sucediam entre apresentações e cânticos tradicionais.

As comemorações pelo aniversário do dalai lama se espalharam por diferentes pontos da Índia, especialmente na cidade de Dharamsala (norte), local de residência de Gyatso e que acolhe uma grande comunidade de exilados tibetanos há mais de meio século.

Lhamo Dondhup, nome original do 14º dalai lama, nasceu no dia 6 de julho de 1935 em Taktser, no Tibete oriental, onde aos dois anos de idade se tornou líder espiritual do seu povo ao ser reconhecido como a reencarnação do seu predecessor.

Em 1959, após dura repressão chinesa contra a revolta popular de Lhasa, capital do Tibete, o dalai lama se viu forçado a abandonar o país com milhares de compatriotas e buscar apoio no norte da Índia.

Desde então, o líder espiritual tibetano continuou a luta pela liberdade do seu povo sempre "se opondo sistematicamente à violência", motivo pelo qual recebeu o Nobel da Paz em 1989.