PUBLICIDADE
Topo

Enviado especial da ONU condena morte de menores em Gaza

28/07/2018 10h36

Cidade de Gaza, 28 jul (EFE).- O enviado especial da ONU para o Oriente Médio, o búlgaro Nickolay Mladenov, condenou neste sábado a morte de menores de idade nos protestos de ontem na fronteira entre Israel e Faixa de Gaza, e assinalou que "as crianças não são um alvo!" em uma mensagem distribuída através de suas redes sociais.

As manifestações da Grande Marcha do Retorno de ontem resultaram na morte de três manifestantes, dois deles menores de idade, por disparos de soldados israelenses.

Inicialmente, o Ministério de Saúde da Palestina informou que um menor de 14 anos havia morrido, mas, durante madrugada, corrigiu sua idade para 12 anos.

"A morte de uma criança palestina de 12 anos por disparos israelenses é algo estarrecedor e trágico", escreveu Mladenov.

"Muitas vidas foram perdidas. É hora de acabar com isso", acrescentou o diplomata búlgaro.

O outro menor tinha 17 anos e morreu hoje ao não resistir aos ferimentos sofridos nos incidentes de ontem.

O enviado especial da ONU chegará hoje à Faixa de Gaza como parte de sua maratona de visitas de mediação entre o movimento islamita palestino Hamas (que controla a Faixa) e Israel, para apaziguar a violência dos últimos dias e tentar aliviar a crise econômica no território palestino.

A Faixa de Gaza está submetida a um bloqueio por parte de Israel e do Egito desde que o Hamas tomou o poder em 2007, após expulsar as forças vinculadas ao movimento nacionalista Al Fatah, que é liderado pelo presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas.

Desde que começaram as manifestações em 30 de março, 146 palestinos morreram nas manifestações e durante incidentes violentos perto da fronteira, e há por volta de 17.100 feridos, metade deles atingidos por disparos de armas de fogo.

Israel acusa o Hamas de utilizar os enfrentamentos na divisa para tentar violar a cerca de separação e realizar ataques nas comunidades israelenses vizinhas.

O movimento islamita, por sua vez, admitiu que alguns dos mortos pertenciam ao grupo.