PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Tchecoslováquia começou a espionar Donald Trump na década de 70, diz imprensa

Andrew Harnik/AP
Imagem: Andrew Harnik/AP

Em Praga

30/10/2018 09h40

A Polícia Secreta Comunista Tcheca (StB) começou a coletar informações sobre o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, depois que o magnata se casou em 1977 com sua primeira esposa, Ivana Zelnícková, nascida na antiga Tchecoslováquia.

Veja também:


A StB reuniu informações sobre Trump, sobre seus filhos e doenças, viagens privadas do casal, além das ambições políticas do milionário, assim como dos círculos da alta política de Washington aos quais Trump tinha acesso, afirma a revista tcheca "Respekt" em sua última edição.

A revista cita Vlastimil Danek, ex-chefe provincial da StB em Zlin, província na qual Ivana foi criada, e os dados obtidos nos arquivos do temido órgão repressivo, que operou durante a ditadura comunista (1948-1989), e cooperava estreitamente com a KGB soviética.

"As atas dos arquivos mostram o crescente interesse da KGB em Trump", afirma a "Respekt".

Segundo o jornal britânico "The Guardian", que publica as informações junto com a revista tcheca, o próprio pai de Ivana fornecia informações a Danek.

Com o passar do tempo, a StB utilizou outros quatro informantes, pessoas que conheciam Ivana ou eram parte da família tcheca de Trump.

O interesse por Trump cresceu quando nos anos 80 começaram os rumores de uma possível candidatura à Presidência dos EUA.

"Sim, nos dedicamos a Trump. Sabíamos que ele era influente. Declarou que queria chegar a ser presidente e tínhamos interesse em saber mais sobre ele", afirma Danek.

Assim, na década de 80 Trump foi o alvo de maior interesse da rede de espiões tchecos, como mostram documentos, arquivos e testemunhos pessoais em poder dos veículos de imprensa citados.

Internacional