PUBLICIDADE
Topo

Acapulco devolve esperança a pessoas surdas com padaria inclusiva

30/01/2019 09h50

Salma Kaufman.

Acapulco (México), 30 jan (EFE).- Apesar de ser uma das cidades mas violentas e inseguras do México, Acapulco se transformou nos últimos meses também em um foco de esperança para jovens com incapacidade auditiva que trabalham na primeira padaria inclusiva do balneário.

"Renacer de la Esperanza" é uma padaria que abriu há seis meses e que nasceu no terraço de uma casa nesta turística cidade do sulista estado de Guerrero.

O projeto começou com três jovens surdos e um mestre padeiro com o objetivo de poder oferecer a esses jovens uma "vida digna aprendendo um ofício".

"Agora já são seis jovens na padaria. Este projeto é para todos os rapazes com incapacidade que queiram aprender", comentou à Agência Efe Antonia Gama, psicóloga e professora de Comunicação e Linguagem, além de fundadora deste projeto.

Cerca de 300 peças de pão artesanal são elaboradas diariamente ao longo de três horas. E todos esses pães são preparados diariamente pelos jovens junto com seu mestre, Cristian Avellaneda, que assegura que a única dificuldade que enfrenta é a de não poder se comunicar com eles, por não saber ainda a linguagem dos sinais.

Apesar disto, considera que os jovens tiveram um avanço progressivo, já que, depois de cinco aulas, os pães já podiam ser vendidos.

Isso fez com que o mestre mudasse totalmente sua perspectiva sobre o projeto, pois no início enfrentou o desafio com ceticismo e nervosismo pelo compromisso que representava.

"Peço à comunidade que venha comprar porque podemos fazer mil peças", garantiu o mestre ao perceber as adversidades que as pessoas com incapacidade enfrentam.

Pablo Casimiro, pai de um dos padeiros, quer que seu filho, em um futuro próximo, possa ter seu próprio negócio e não tenha que depender de alguém.

"Acho ótimo isso de ensinar um ofício ao meu filho para que mais adiante, quando eu já não possa ajudá-lo, ele se defenda sozinho na vida. Eu quero que ele seja seu próprio chefe", declarou o pai.

O homem contou que seu filho teve que enfrentar a discriminação que existe por parte da sociedade com pessoas com incapacidades auditivas.

Com este projeto, os jovens se envolveram mais com a sociedade ao não se sentir excluídos, tentando presentear com um pouco de felicidade cada um dos compradores.

Um dos requisitos necessários para poder ser parte desta padaria é que os jovens terminem seus estudos básicos.

Apesar de esta padaria ser sem fins lucrativos e não contar com apoio de nenhuma dependência de governo, Antonia Gama garantiu que, se for necessário, ampliará as instalações para poder oferecer esta oportunidade a mais jovens.

"Eu não ganho nada mais do que a satisfação de ver que estes jovens estão se projetando a aprender um ofício nobre e que eles terão a oportunidade de ser independentes", especificou a fundadora do projeto.

Dentro das metas que tem, em longo prazo espera transformar a padaria em uma confeitaria e assim dar uma receita extra aos jovens. E a oportunidade para mais pessoas com diferentes incapacidades de ser parte deste projeto que praticamente começou.

No estado de Guerrero, 6,1% da população sofria de incapacidade auditiva, segundo dados de 2014 da Pesquisa Nacional da Dinâmica Demográfica (ENADID) do Instituto Nacional de Estatística e Geografia (INEGI) e do Conselho Nacional de População (CONAPO). EFE