PUBLICIDADE
Topo

ONU pede respeito a direitos de jornalistas após prisões na Venezuela

31/01/2019 17h58

Nações Unidas, 31 jan (EFE).- A ONU pediu nesta quinta-feira respeito aos direitos dos jornalistas e que eles possam trabalhar livremente na Venezuela, uma resposta da organização às recentes prisões de profissionais da imprensa no país.

"É fundamental que os jornalistas, seja na Venezuela ou em qualquer outro lugar do mundo, possam informar livremente sobre os eventos e que seus direitos sejam plenamente respeitados", disse Stéphane Dujarric, porta-voz do secretário-geral da ONU, António Guterres, ao ser questionado sobre as prisões.

Monica Grayley, porta-voz da presidente da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa, corroborou a opinião de Dujarric.

"A liberdade de imprensa é uma necessidade. Os jornalistas devem ter seus direitos protegidos. Eles têm que trabalhar em um ambiente livre, seguro e, certamente, ter garantida sua integridade física", respondeu a porta-voz sobre as detenções na Venezuela.

Quatro profissionais da Agência Efe, dois colombianos, um espanhol e um venezuelano, foram libertados nesta quinta-feira após serem presos ontem pelo governo da Venezuela.

A alegação dos agentes do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) era que três deles - os dois colombianos e o espanhol - não tinham se credenciado junto ao governo. No entanto, eles informaram às autoridades migratórias que reforçariam o escritório da Efe em Caracas quando obtiveram visto para entrar no país.

Também foram libertados hoje dois jornalistas franceses da emissora "TMC", detidos na terça-feira em Caracas. No mesmo dia, dois profissionais da Televisão Nacional do Chile foram presos e deportados para seu país de origem. EFE