PUBLICIDADE
Topo

Guaidó diz que forças militares venezuelanas ajudaram a entrar na Colômbia

23/02/2019 01h59

Cúcuta (Colômbia), 22 fev (EFE).- O presidente do Parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino do país, afirmou na sexta-feira, em Cúcuta, que as forças militares venezuelanas ajudaram-no a ingressar à Colômbia, onde chegou para um show de artistas internacionais pelo seu país, além de visitar um centro de recolhimento de ajuda humanitária.

"Como chegamos aqui hoje na Colômbia? Quando proibiram o espaço aéreo, quando proibiram todo tipo de transporte marítimo, obstaculizaram as vias, dispararam em deputados que vinham em caravana até a fronteira, estamos aqui precisamente porque as forças armadas (venezuelanas) também participaram deste processo. Essa é a verdade", afirmou Guaidó.

O opositor visitou no centro de armazenamento no lado colombiano da ponte Tienditas ao lado dos presidentes da Colômbia, Iván Duque; Chile, Sebastián Piñera, e Paraguai, Mario Abdo Benítez, para supervisionar as toneladas de ajuda humanitária enviadas pelos Estados Unidos e Porto Rico, que tentarão entrar na Venezuela neste sábado.

Ele acrescentou que este é um "momento histórico para a Venezuela e também para a região", por sua vez disse que sábado "rios de unidade" de ajuda ingressarão em seu país.

"Em nome de toda a Venezuela, em nome de uma Venezuela que busca unir todas as pessoas, como o nome desta ponte, Unidade, hoje os obstáculos que uma ditadura impõe, amanhã serão rios de unidade, de paz, de pessoas que querem salvar vidas", disse.

Além disso, agradeceu a Colômbia pelo apoio recebido e ao "povo da Venezuela a quem agradeço por este apoio para poder estar aqui".

A Colômbia foi um dos primeiros países em reconhecer Guaidó como presidente interino da Venezuela e desde então liderou um cerco diplomático para pressionar o governo de Nicolás Maduro e conseguir que ele abandone o poder.

Da mesma forma, Guaidó disse que a ajuda humanitária "não é mendigar", como a disse Maduro dias atrás, mas pelo contrário é "reconhecer uma crise". EFE