PUBLICIDADE
Topo

Autor do massacre na Nova Zelândia visitou Israel em outubro de 2016

17/03/2019 20h23

Jerusalém, 17 mar (EFE).- Brenton Tarrant, o supremacista branco australiano acusado de assassinato pelo massacre de 50 pessoas em duas mesquitas da Nova Zelândia, visitou Israel em outubro de 2016, segundo o Ministério do Interior do país.

"Ele entrou como turista e ficou por nove dias. Comprovamos isso. Ele usou seu próprio nome, data de nascimento e nacionalidade", disse o porta-voz do Ministério do Interior, Sabin Hadad.

O porta-voz, no entanto, disse não ter outros detalhes sobre a passagem de Tarrant no país. O australiano, segundo Hadad, não se envolveu em nenhum incidente enquanto esteve em Israel.

Segundo a imprensa israelense, Tarrant chegou a Israel em 25 de outubro de 2016 pelo aeroporto de Ben Gurion, em Tel Aviv, em um voo com origem na Turquia. E foi autorizado a entrar no país depois de passar pelos agentes de imigração.

Ultradireista, antimuçulmano e anti-imigração, Tarrant é o principal suspeito de ter cometido o pior atentado da história da Nova Zelândia. As autoridades do país acreditam que ele planejou o ataque por dois anos.

Entre os mortos no ataque estão seis palestinos. Além disso, outras seis pessoas de origem palestina ficaram feridas em Christchurch, segundo a agência de notícias "Maan", que cita fontes do Ministério de Relações Exteriores e Expatriados da Palestina. EFE