PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Chile prorroga estado de catástrofe por pandemia até 30 de setembro

25/06/2021 04h51

Santiago (Chile), 24 jun (EFE).- O Chile estenderá por 90 dias, até 30 de setembro, o estado de emergência constitucional de catástrofe por calamidade pública atualmente vigente como um quadro restritivo para combater a pandemia da Covid-19, que até agora deixou 1,52 milhão de casos de infecção e 31.797 mortes no país.

O Senado e a Câmara dos Deputados aprovaram nesta quinta-feira o pedido que havia sido feito pelo presidente Sebastián Piñera, principalmente devido às novas cepas do coronavírus e o risco de uma nova onda de contágios no inverno.

Hoje foi confirmada a presença em território chileno do primeiro caso da variante delta, em uma mulher de 43 anos que voltou dos Estados Unidos.

A proposta do presidente de estender o estado de catástrofe e assim poder manter as restrições de circulação, quarentena e toque de recolher foi adiante no Congresso, apesar de não ter conquistado o apoio unânime dos legisladores do bloco governista.

Alguns deles rejeitaram a medida alegando que é necessária mais abertura, pelo menos para os vacinados e para as empresas, e que o toque de recolher deveria ser suspenso.

ESTADO DE CATÁSTROFE PERDURA DESDE MARÇO DE 2020.

A declaração do estado de catástrofe por calamidade pública cabe ao presidente do país, mas como a medida está em vigor há mais de um ano desde sua primeira promulgação, requer a aprovação do Congresso por maioria simples.

A iniciativa foi inicialmente adotada em 18 de março de 2020 por um período de 90 dias, apenas duas semanas após a confirmação da primeira infecção por coronavírus no país.

Desde então, e contando esta quinta-feira, o estado de catástrofe foi prorrogado cinco vezes, sempre pelo mesmo período de tempo, como uma medida-quadro sob a qual se aplicam outras restrições para impedir a circulação do vírus SARS-CoV-2.

Com 3.448 infectados e 51 mortes detectadas nas últimas 24 horas, o país parece estar emergindo de uma segunda onda que colocou o sistema hospitalar sob pressão. Além disso, forçou o fechamento das fronteiras e uma quarentena em toda a capital.

Tudo isso no contexto de um processo de vacinação bem sucedido que já aplicou as duas doses necessárias em 65% das 15 milhões de pessoas da população alvo e mais 15% com uma injeção.