PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Piñera confia em nova Constitução chilena e alerta para "vírus do populismo"

22/09/2021 02h43

Nações Unidas, 21 set (EFE).- O presidente do Chile, Sebastián Piñera, afirmou nesta terça-feira que confia na nova Constituição que está sendo elaborada no país para solucionar a crise social que começou em 2019 e lamentou que a América Latina esteja imersa no "vírus do populismo" e em outras ameaças à democracia.

"O Chile conseguiu canalizar a explosão social e as suas legítimas exigências através de um processo pacífico, institucional e democrático", disse o mandatário em um discurso gravado e enviado à Assembleia Geral da ONU.

Piñera declarou que as democracias passaram por um "processo de deterioração progressiva", especialmente na América Latina, onde "a principal ameaça vem de governos eleitos com legitimidade e que manobram para se manterem no poder".

O Chile também não está isento destas ameaças, representadas pelo "câncer da polarização e a praga da fragmentação política", acrescentou.

"Esperamos que a Assembleia Constituinte proponha o texto de uma nova Constituição que, embora melhorando e corrigindo tudo o que precisa de ser alterado, incorpore também uma maior equidade e justiça social e proteja as nossas liberdades", opinou.

O país começou a redigir em julho uma nova Constituição como via política para atender demandas dos protestos sociais, que desde 2019 exigiam um modelo socioeconômico mais justo.

VACINAÇÃO DESIGUAL.

Piñera lamentou que a vacinação contra a covid-19 seja tão desigual no mundo. O Chile tem uma das campanhas de vacinação mais bem-sucedidas do mundo, com quase 90% da população-alvo totalmente vacinada e mais de 2,6 milhões de terceiras doses administradas.

"Com a vacinação, a ciência triunfou, mas a política falhou. Enquanto alguns países têm doses para vacinar várias vezes, há outros que não têm a proteção mínima", reclamou.

O presidente também reforçou o seu discurso ambiental, acrescentando que, embora o Chile contribua com menos de 0,25% das emissões globais de gases do efeito de estufa, o governo está "totalmente empenhado" nas energias renováveis e no hidrogênio verde, do qual é pioneiro no mundo.

"Agora é o momento de agir, com uma forte vontade e um sentido de urgência. Somos a última geração que pode prevenir a atual crise climática", alertou.

Piñera, que recebeu o prestigiado Global Citizen Award em 2019 e é internacionalmente conhecido pela diversificada agenda ambiental, tem sido amplamente criticado por muitos especialistas no país que denunciam questões como a privatização da água e o modelo econômico profundamente extrativista.

Entre os compromissos que assumiu está um plano governamental para encerrar todas as usinas termelétricas a carvão até 2040.