PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Bachelet defende que vacinação não pode ser realizada à força

08/12/2021 22h47

Genebra, 8 dez (EFE).- A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, afirmou nesta quarta-feira que "em nenhuma circunstância" uma vacina pode ser administrada à força, em um momento em que vários países estão considerando a vacinação obrigatória para enfrentar as novas ondas da covid-19.

Durante seminário sobre boas práticas e acesso a vacinas e tratamentos, a alta comissária destacou que se for imposta a vacinação obrigatória, deverá ser aplicada com certa flexibilidade e exceções, por exemplo, em pessoas para as quais o medicamento é contra-indicado.

Nessas circunstâncias, pode ser aceitável condicionar o acesso a escolas, hospitais e outros espaços públicos à vacinação, ou a certas consequências jurídicas, tais como multas "proporcionais e passíveis de revisão pelas autoridades judiciais", afirmou.

Por outro lado, afirmou que a vacinação obrigatória só deve ser considerada se outras medidas menos intrusivas, como o uso de máscara ou o distanciamento físico, não tiverem atingido os objetivos de proteção à saúde desejados.

"A vacinação compulsória deve seguir os princípios da legalidade, necessidade, proporcionalidade e não discriminação", disse a ex-presidente chilena. EFE