Anac diz que negou autorização a voo da Chapecoense com base em acordos de aviação

(Reuters) - A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou nesta terça-feira que recusou pedido da empresa aérea boliviana Lamia para transportar a Chapecoense diretamente do Brasil para a Colômbia com base no Código Brasileiro de Aeronáutica (CBAer) e na Convenção de Chicago, que trata dos acordos de serviços aéreos entre os países.

"O acordo com a Bolívia, país originário da companhia aérea Lamia, não prevê operações como a solicitada", disse a Anac em nota oficial, acrescentando que, em complemento à negativa, a agência informou aos solicitantes do voo que o transporte poderia ser realizado por empresa aérea brasileira ou colombiana, nos termos dos acordos internacionais em vigor.

Com a recusa da Anac, o time da Chapecoense voou primeiramente do Brasil para a Bolívia, e de lá saiu em um voo da Lamia com direção a Medellín, na Colômbia. Este foi o voo que caiu em uma região montanhosa colombiana, matando 76 das 81 pessoas a bordo.

"A Anac se solidariza com os familiares das vítimas do acidente ocorrido nesta madrugada, 29/11, com o time da Chapecoense, nas proximidades de Medellín, na Colômbia", acrescentou a agência.

O avião levava jogadores, equipe técnica e funcionários da equipe de Chapecó (SC), além de jornalistas que iriam cobrir o jogo da equipe pela final da Copa Sul-Americana na quarta-feira, em Medellín, contra o Atlético Nacional.

(Reportagem de Anthony Boadle)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos