Manifestantes vão às ruas protestar contra corrupção no país

BRASÍLIA (Reuters) - Manifestantes tomaram as ruas na manhã deste domingo em Brasília, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e outras cidades brasileiras para protestar contra corrupção, com foco em parlamentares e no presidente do Senado, Renan Calheiros.

Com gritos de "fora Renan" e vestidos com camisas verdes e amarelas e da seleção de futebol do Brasil, milhares de moradores do Rio de Janeiro foram a orla de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro. O ato a favor da Operação Lava Jato e contra a corrupção no país teve carros de som, faixas e placas com frases de protesto, bonecos infláveis e até um homem à cavalo enrolado na bandeira do Brasil.

O clima ameno e a falta de som favoreceu o protesto, que começou a tomar corpo no final da manhã. A Polícia Militar acompanhou de perto o protesto, mas não foram registrados incidentes. Nem a PM nem os organizadores informaram estimativa de presentes, mas o grupo fechou as duas pistas da orla, entre os postos 5 e 6, em Copacabana.

"Nós não podemos parar e temos que ir até o fim. Aqueles que quebraram o Brasil já saíram , mas ainda tem muita gente ruim e  muito ladrão no Congresso para vazar . E agora, com medo das ruas e do povo, tentam na calada da noite intimidar aqueles que estão lutando contra a roubalheira nesse país", afirmou o comerciante Flávio Santos.

Em Brasília, a concentração foi em frente ao Congresso Nacional. Também vestidos de verde e amarelo, o grupo levava cartazes com ratos representando os parlamentares e em defesa da das medidas contra corrupção. Um dos cartazes mostrava o presidente do Senado, Renan Calheiros, como um rato com o rabo preso em uma ratoeira.

Os manifestantes cantavam "Somos Sérgio Moro" a maior parte do tempo e denunciavam os "ratos" do Congresso.

"Nós deixamos esses ratos nos governarem por tempo demais", disse Sônia, uma das manifestantes, que preferiu não dar seu sobrenome por ser funcionária pública. "Renan é o maior canalha de todos", disse, referindo-se aos 11 casos de corrupção sob investigação no Supremo Tribunal Federal e seu papel na tentativa de acelerar a votação no Senado do pacote anti-corrupção, alterado na Câmara.

"Os deputados nem se importam mais com que o povo nas ruas pensa, estão mais preocupados em não serem presos do que em se reeleger", afirmou.

De acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, cerca de 5 mil pessoas compareceram à manifestação, enquanto os organizadores calcularam o grupo em 15 mil pessoas.

Protestos acontecem nesta manhã também em Belo Horizonte, onde cerca de 5 mil pessoas ocupam a praça da Liberdade, no centro da cidade, e em Recife, onde o mesmo número protesta na orla da cidade, de acordo com informações da Globo News. Outras cidades marcaram os protestos para a tarde deste domingo, entre elas São Paulo e Porto Alegre.

As manifestações, marcadas em mais de 140 cidades do país, miram principalmente a classe política, em especial os parlamentares, depois que nesta semana foram aprovados projetos polêmicos que, segundo investigadores da operação Lava Jato, ameaçam as investigações sobre o bilionário esquema de corrupção na Petrobras. A aprovação com alterações pela Câmara dos Deputados das chamadas medidas contra a corrupção gerou reações contrárias de diversas entidades e autoridades, como a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e dos membros da força-tarefa da Lava Jato, que ameaçaram com uma renúncia coletiva caso o texto aprovado seja sancionado. Isso, aliado à tentativa fracassada de parte dos senadores de acelerar a votação na Casa do pacote aprovado na Câmara, deve dar combustível aos manifestantes, que prometem protestar contra "o jeito corrupto de fazer política" e a favor da Lava Jato. A semana que passou também foi marcada por protestos violentos em Brasília na terça-feira, contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece um limite para os gastos públicos e que foi aprovada em primeiro turno no Senado. Diante desse cenário, o presidente Michel Temer disse na quinta-feira, em discurso feito durante evento em São Paulo, que as manifestações de rua são próprias da democracia e não preocupam o governo. Reconheceu, entretanto, que é necessário ouvir. "O Executivo e o Legislativo têm que levar muito em conta a opinião pública, e é o que se deve fazer no país", defendeu o presidente que voltou, mais uma vez a afirmar que é necessário "pacificar o país".

(Por Rodrigo Viga Gaier e Anthony Boadle. Texto de Lisandra Paraguassu)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos