Ambientalistas do Brasil desenvolvem ferramenta para retirar madeira ilegal de cadeia de suprimento

Por Chris Arsenault

RIO DE JANEIRO (Thomson Reuters Foundation) - As empresas que querem comprar madeira brasileira sem contribuir para o desmatamento ilegal têm uma nova ferramenta que lhes garante que nenhuma madeira roubada irá entrar em suas cadeias de suprimento: uma plataforma digital que rastreia a origem da madeira, disseram ambientalistas.

A Bolsa de Madeira Responsável, criada pelo grupo conservacionista BVRio, utiliza dados do governo e mapas de satélite para ajudar compradores e vendedores a verificar a procedência e os certificados da madeira.

"A plataforma consegue identificar os riscos de ilegalidade através da cadeia de suprimento", explicou Mauricio de Moura Costa, diretor de operações da BVRio, à Thomson Reuters Foundation.

"Queremos criar um mercado que ajude os compradores a adquirirem madeira legal de forma mais fácil... a devida diligência é muito difícil", disse ele em uma entrevista recente.

O corte ilegal é responsável por cerca de 90 por cento do desmatamento no Brasil, lar das maiores florestas tropicais do mundo, de acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Acredita-se que mais da metade da madeira tropical comercializada globalmente vem do corte ilegal, afirmou Costa.

As empresas que roubam madeira com frequência estão envolvidas em outros crimes, como trabalho forçado e grilagem, que expulsam comunidades indígenas e prejudicam o meio ambiente, dizem autoridades.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos