Russos deixam refúgios rurais nos EUA, depois de serem expulsos por Obama

Por Yeganeh Torbati e Joel Schectman

CENTREVILLE, UPPER BROOKVILLE, Estados Unidos (Reuters) - Em pequenos comboios de veículos, russos partiram de dois refúgios rurais de férias nos arredores de Washington e da cidade de Nova York sem grande alarde nesta sexta-feira, depois da ordem para que se retirassem dada pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que disse que os locais eram associados com espionagem.

Os russos receberam o prazo de até o meio-dia desta sexta-feira para desocupar as propriedades em Centreville, Maryland, e em Upper Brookville, em Long Island, no Estado de Nova York.

Por volta do início da tarde, caminhões, ônibus e carros pretos com placas diplomáticas haviam partido.

“As áreas foram desocupadas e estão sob o controle do governo”, disse Elliot Conway, prefeito de Upper Brookville, à imprensa um pouco depois do meio-dia, quando um total de seis veículos haviam deixado a instalação russa no local.

“Eles eram vizinhos tranquilos”, disse Conway, acrescentando que nunca tinha encontrado ninguém que morava na propriedade rural a cerca de 40 km de Manhattan.

Em Maryland, cerca de uma dezena de veículos deixaram a extensa propriedade próxima ao mar, observados por representantes do Departamento de Estado. Alguns passageiros sorriram e acenaram quando partiam da área, localizada numa área de floresta com vias estreitas e sinuosas.

De forma abrupta, Obama ordenou o fechamento dos locais na quinta-feira, dizendo que eram “usados por pessoal russo para propósitos relacionados com inteligência”.

Essa foi parte da sua resposta, que também incluiu a expulsão de 35 russos suspeitos de espionagem, para o que autoridades norte-americanas chamaram de uma interferência hacker de Moscou na campanha eleitoral norte-americana de 2016. O Kremlin nega as acusações.

Os fechamentos fazem lembrar os velhos tempos de tensão entre os EUA e a antiga União Soviética.

Quando os soviéticos compraram a área em Centreville para ser usada como refúgio para diplomatas a serviço em Washington, o fato agitou os moradores da cidade de Maryland. Isso foi em 1972, durante a Guerra Fria.

As pessoas suspeitavam dos soviéticos e “pensavam que eles eram espiões. Esse foi o folclore de Centreville”, disse Joe Dawkins, agricultor local.

O governo russo manteve a área depois do fim da União Soviética em 1991.

Vizinhos disseram que os russos eram um grupo animado. Eles eram vistos fazendo esqui aquático no verão e conhecidos por fazer uma grande festa no Dia do Trabalho. Em maio, para celebrar o Dia da Vitória russo, marcando a derrota dos nazistas na Segunda Guerra Mundial, a propriedade sediava um torneio de futebol para diplomatas das ex-repúblicas soviéticas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos