Formigas marcham em formação de batalha e resgatam companheiras feridas

Will Dunham

  • Reprodução/Bluebird

    Segundo cientista da Universidade de Wurzburg, na Alemanha, resgate não é altruísta

    Segundo cientista da Universidade de Wurzburg, na Alemanha, resgate não é altruísta

Assim como soldados humanos em combate, membros de uma espécie de formigas grandes, pretas e comedoras de cupim encontradas na África subsaariana marcham em formação para batalha e, após o combate, retiram camaradas feridas e as carregam de volta para casa para recuperação.

Cientistas descreveram o comportamento único de resgate das formigas matabele africanas, chamadas Megaponera analis, após observá-las no Parque Nacional Comoé, na Costa do Marfim, mas não atribuíram motivos de caridade aos insetos.

"Este não é um comportamento altruísta", disse o entomologista Erik Frank, da Universidade de Wurzburg, na Alemanha, que comandou o estudo publicado no jornal Science Advances.

"As formigas não ajudam as feridas por bondade em seus corações. Há um claro benefício à colônia: estas formigas feridas podem participar novamente de operações futuras e continuar membros funcionais da colônia", falou.

As formigas, que ficam com até 2 centímetros de comprimento, são especialistas na caça de cupins e usam uma estratégia operacional diferenciada.

Exploradoras deixam o formigueiro para buscar por locais de forragem de cupins, então recrutam até 500 companheiras de formigueiro e as levam aos cupins em uma formação em coluna. Formigas feridas em combate com cupins, algumas sem partes dos corpos ou ficando debilitadas, excretam químicos de seus corpos para sinalizar às companheiras por ajuda.

Formigas que não estão feridas então socorrem as feridas e as carregam, assim como os cupins mortos, de volta ao formigueiro na mesma formação em coluna, às vezes tão longe quanto 50 metros. De volta ao formigueiro, outras formigas removem cupins que podem estar agarrados a formigas feridas. Formigas que perdem uma ou duas das seis pernas podem adaptar a locomoção, muitas vezes reconquistando em 24 horas velocidades de corrida similares a uma formiga saudável.

Quase todas as formigas resgatadas participam de operações seguintes, às vezes menos de uma hora após se ferirem.

Frank disse ter ficado surpreso em encontrar este comportamento em uma espécie invertebrada.

"Primeiramente me pareceu ilógico o porquê delas evoluírem este tipo de comportamento de ajuda", disse Frank. "Após um olhar mais atento, percebemos que o bem do indivíduo, salvando os feridos, também pode ser o bem da colônia, e que indivíduos podem ser muito valiosos em formigas".

Além de primatas como macacos, comportamentos de resgate também foram vistos em outros mamíferos, incluindo elefantes, ratos e golfinhos, segundo Frank.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos