Ataques contra a Síria diminuem após Rússia liderar campanha pelo cessar-fogo

Lisa Barrington

  • Delil Souleiman/AFP

    2.mai.2017 - Jovem ferido recebe atendimento em hospital na cidade de Hassakeh, na Síria

    2.mai.2017 - Jovem ferido recebe atendimento em hospital na cidade de Hassakeh, na Síria

A luta entre rebeldes sírios e forças do governo diminuiu neste sábado, quando um esforço liderado pela Rússia para fortalecer um cessar-fogo entrou em vigor, embora as batalhas continuassem em uma linha de frente importante perto de Hama, disse um comandante rebelde e monitor de guerra.

O acordo para criar zonas de "desescalada" nas principais áreas de conflito no oeste da Síria teve efeito à meia-noite. A iniciativa foi proposta pela Rússia, o aliado mais poderoso do presidente Bashar al-Assad, com o apoio da Turquia, que apoia a oposição. O Irã, outro grande aliado de Assad, também o apoiou.

Grupos políticos e armados de oposição rejeitaram a proposta, dizendo que a Rússia não quis ou não conseguiu que Assad e seus aliados da milícia apoiados pelo Irã respeitassem o cessar-fogo passado. O governo sírio disse que apoiou a proposta, mas que continuará a lutar contra o que chamou de grupos terroristas em todo o país.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos disse que houve uma redução nos combates na Síria desde que o acordo entrou em vigor, mas advertiu que era muito cedo para dizer se isso duraria.

"A redução da violência deve ser clara e duradoura", disse o diretor do Observatório, Rami Abdulrahman, à Reuters.

O comandante rebelde disse que o nível geral de violência foi reduzido, mas acrescentou: "tentativas do regime (para avançar) no campo Hama continuam."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos