Democratas livres exigem mudanças políticas para entrar em coalizão com Merkel

BERLIM (Reuters) - O líder do Partido Democratas Livres da Alemanha (FDP, na sigla em inglês) disse que sua legenda só fará uma aliança com a chanceler alemã, Angela Merkel, se houver uma mudança no rumo das políticas de governo.

O bloco conservador de Merkel continua sendo o maior do Parlamento depois da eleição nacional de domingo, mas perdeu apoio para a extrema-direita. Como as conversas para a montagem de uma coalizão devem começar em breve, sua única opção realista agora é uma parceria com o FDP e os ambientalistas dos Verdes.

Mas estas duas forças discordam em temas que vão da energia aos impostos, a Europa e a imigração, dificultando o caminho para qualquer acordo de formação de uma chamada coalizão 'Jamaica' – uma referência às respectivas cores preto, amarelo e verde dos partidos.

Para complicar ainda mais o cenário, o bloco conservador de Merkel envolve dois partidos, sua União Democrata-Cristã (CDU) e os aliados bávaros da União Social-Cristã (CSU), que estão se mostrando um obstáculo para um acordo de coalizão.

"Algumas pessoas estão glorificando a 'Jamaica' como um projeto político romântico", disse o líder do FDP, Christian Lindner, ao jornal Die Welt.

"A verdade é que existe uma maioria aritmética, mas os quatro partidos têm cada um seu próprio mandato eleitoral. Se estes podem se aliar sem contradição e no interesse do país é algo para se ver", acrescentou.

"Política não é matemática", afirmou, acrescentando que, na dúvida, seu partido continuará na oposição. "Todos precisam saber que os democratas livres só se juntarão a uma coalizão se houver uma mudança no rumo da política alemã."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos