Militantes que atacaram mesquita do Egito portavam bandeira do Estado Islâmico, diz procurador

Por Omar Fahmy e Mohamed Abdellah

CAIRO (Reuters) - Militantes armados que mataram mais de 300 pessoas ao atacarem uma mesquita no Sinai do Norte na sexta-feira portavam uma bandeira do Estado Islâmico e eram entre 25 e 30 em número, disse a Procuradoria-Geral em um comunicado neste sábado.

Os atiradores, alguns usando máscaras e uniformes de estilo militar, cercaram a mesquita bloqueando janelas e uma entrada e abriram fogo em seu interior com rifles automáticos, informou o comunicado, citando uma investigação e entrevistas com sobreviventes feridos.

"Eles eram entre 25 e 30, portando a bandeira do Daesh, e assumiram posições diante da porta da mesquita e suas 12 janelas com rifles automáticos", disse o texto, usando um termo árabe para o Estado Islâmico.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos