China diz esperar que relações com o Japão voltem ao normal

Por Ben Blanchard

PEQUIM (Reuters) - A China espera trabalhar com o Japão para recuperar o curso normal das relações entre os países, disse o Ministro das Relações Exteriores Wang Yi a seu colega japonês neste domingo, em meio a uma série de disputas, algumas das quais datam de antes da Segunda Guerra Mundial.

Os laços entre China e Japão, segunda e terceira maiores economias do mundo, respectivamente, também têm sido afetados por uma disputa territorial de longa data sobre um grupo de ilhotas do Mar da China Oriental e suspeitas da China sobre os esforços do primeiro-ministro japonês Shinzo Abe para alterar a Constituição pacifista do Japão.

No entanto, os dois países têm buscado melhorar as relações, e Abe e o presidente chinês Xi Jinping se encontraram em novembro nos bastidores de uma reunião regional no Vietnã.

Wang disse ao ministro das Relações Externas do Japão, Taro Kono, que sua viagem à Pequim, acontecendo tão cedo no ano, mostra o forte desejo do Japão de melhorar as relações, e a China aprova isso, uma vez que melhores laços estão nos interesses de ambos os países.

No entanto, embora tenha havido um progresso positivo, há também muitos "distúrbios e obstáculos", disse Wang, enquanto ressaltava os comentários de Abe sobre querer melhorar as relações.

"Os laços de China e Japão sempre remam contra a corrente, seja avançando ou retrocedendo", disse Wang, em comentários feitos na frente de jornalistas.

"Esperamos que o lado japonês não relaxe em seus esforços e nem retroceda, e transforme seus posicionamentos verbais em ações concretas..."

Kono afirmou que os dois países compartilham uma grande responsabilidade em salvaguardar a estabilidade e a prosperidade da Ásia e do mundo em geral.

"Não apenas precisamos gerenciar nossas relações bilaterais, mas também precisamos trabalhar junto para lidar com questões do mundo inteiro, em particular a questão da Coreia do Norte, que é um assunto em questão para a sociedade internacional como um todo. Desejamos ampliar a cooperação mútua entre nossos dois países no sentido de resolver essa questão."

O Japão pressionou a China repetidamente a fazer mais para ajudar a controlar os programas de mísseis da Coreia do Norte e seus programas nucleares. A China diz estar comprometida a aplicar as sanções das Nações Unidas, mas que todas as partes precisam fazer mais para reduzir as tensões e reiniciar negociações.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos