Israel intensifica ataques em Gaza, EUA cobram mais proteção a civis

Por Bassam Masoud e Nidal al-Mughrabi

GAZA/CAIRO (Reuters) - Israel intensificou drasticamente seus ataques à Faixa de Gaza, atingindo toda a extensão do enclave palestino e matando centenas de pessoas em uma nova e ampliada fase da guerra que, segundo Washington, contradiz as promessas israelenses de fazer mais para proteger os civis.

As Forças Armadas israelenses disseram na sexta-feira que atingiram mais de 450 alvos em Gaza por terra, mar e ar nas últimas 24 horas - o maior número desde o colapso da trégua na semana passada e cerca do dobro dos números diários normalmente relatados desde então.

Com a grande maioria dos habitantes de Gaza agora deslocados e incapazes de acessar qualquer tipo de ajuda, os hospitais lotados e os alimentos se esgotando, a principal agência da ONU no local disse que a sociedade está "à beira de um colapso total".

Os moradores e os militares israelenses relataram a intensificação dos combates nas áreas do norte, onde Israel havia dito que suas tropas tinham concluído suas tarefas em grande parte no mês passado, bem como no sul, onde lançaram um novo ataque esta semana.

O Ministério da Saúde de Gaza informou que 350 pessoas morreram na quinta-feira, elevando o número de mortos da campanha de dois meses de Israel em Gaza para mais de 17.170, com milhares de outros desaparecidos e supostamente enterrados sob os escombros. Mais ataques foram registrados na manhã de sexta-feira em Khan Younis, no sul, no campo de Nusseirat, no centro, e na Cidade de Gaza, no norte.

"Conforme estamos aqui há quase uma semana nessa campanha no sul... continua sendo imperativo que Israel dê prioridade à proteção dos civis", disse o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, em uma coletiva de imprensa em Washington na quinta-feira.

"E ainda há uma lacuna entre... a intenção de proteger os civis e os resultados reais que estamos vendo no terreno."

Israel lançou sua campanha para aniquilar o grupo Hamas, que governa Gaza, depois que os combatentes do Hamas invadiram cidades israelenses em 7 de outubro, matando 1.200 pessoas e fazendo mais de 240 reféns, de acordo com dados israelenses.

Continua após a publicidade

Desde então, a grande maioria dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza foi expulsa de suas casas, muitos forçados a fugir três ou quatro vezes, apenas com os pertences que podiam carregar.

Como os combates agora se estendem pelas duas metades da Faixa de Gaza ao mesmo tempo, os moradores dizem que se tornou quase impossível encontrar refúgio. Israel afirma que está fornecendo mais detalhes do que nunca sobre quais áreas são seguras e como chegar até elas, e culpa o Hamas pelos danos causados aos civis por operar entre eles, o que o Hamas nega.

O Hamas informou que os confrontos mais intensos com as forças israelenses estavam ocorrendo no norte, no distrito de Shejaia, na Cidade de Gaza, além de Khan Younis, no sul, onde os israelenses chegaram ao coração da segunda maior cidade do enclave na quarta-feira.

O porta-voz militar israelense postou na mídia social que as tropas estavam operando "com força contra o Hamas e as organizações terroristas na Faixa de Gaza, especialmente na área de Khan Younis e no norte da Faixa".

Jornalistas da Reuters no sul da Faixa de Gaza viram um número sem precedentes de mortos e feridos no principal hospital Nasser, em Khan Younis, onde não havia espaço no chão na quinta-feira para os pacientes espalhados em azulejos manchados de sangue.

A Reuters não conseguiu acessar outras partes do enclave, mas entrou em contato com moradores por telefone que descreveram cenas semelhantes de desespero.

Continua após a publicidade

Com os combates agora em todas as direções, não havia mais para onde fugir, disse Yamen, abrigado em uma escola no centro de Gaza com sua família.

"Dentro da escola é como fora dela: a mesma sensação de medo da morte próxima, o mesmo sofrimento da fome", afirmou ele. "Todos os dias dizemos que, de alguma forma, sobrevivemos. Mas por quanto tempo?"

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes