PUBLICIDADE
Topo

Êxodo de venezuelanos revela fracasso da integração entre vizinhos

23/08/2018 14h11

A degringolada econômica da Venezuela se transforma em crise humanitária. Segundo a ONU, 2,3 milhões de venezuelanos deixaram o país em dois anos. A título de comparação, 1,8 milhão de migrantes entraram em toda a União Europeia em quatro anos.

Da enviada especial à fronteira entre Equador e Colômbia, Marie-Eve Detouef

Os países sul-americanos foram surpreendidos com essa onda migratória inédita. A partir do dia 18 de agosto, o Equador passou a exigir um passaporte aos venezuelanos. Essa decisão unilateral vai contra os acordos regionais em vigor. Quito nem se deu ao trabalho de informar a Colômbia, que sozinha já recebeu cerca de um milhão de migrantes e por onde passam os que seguem para o Equador.

Por sua vez, o Peru pretende proibir que venezuelanos sem passaporte entrem no país a partir do próximo sábado (25).

Diante do desafio migratório, todos os países envolvidos evocam, no entanto, as virtudes da cooperação regional, assim como a ONU e a Organização dos Estados Americanos (OEA). Mas o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterrez, se mantem estranhamente silencioso sobre o assunto.

Lado humano em segundo plano

Já o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, quer restabelecer a democracia na Venezuela, ou seja, com a saída do presidente Nicolas Maduro. Nesse caso, a intenção política se sobrepõe à urgência da questão humanitária.

A integração regional fracassou e os migrantes venezuelanos – espremidos na fronteira entre a Colômbia e o Equador – são os prejudicados.

Outra faceta mais dramatica é que o perfil social dos migrantes mudou nos ultimos meses. “Antes, eram pessoas com diplomas superiores que chegavam”, explica Giovanna Tipan, responsável pela circulação na ponte de Rumichaca, que liga Colômbia e Equador. “Além disso, eles tinham um pouco de dinheiro para se instalar. Era mais fácil para eles encontrar trabalho e se integrar. Agora, é diferente. As pessoas deixam uma situação extremamemente precária. E sabemos que ela vai piorar no país de chegada, seja no Equador, no Peru ou onde quer que seja”, diz.   

Solidariedade entre precários

Sem uma recepção institucional nos países vizinhos da Venezuela, os exilados criam sua própria rede de solidariedade. “É interessante ver como são tão solidários, mesmo sendo tão vulneráveis ao mesmo tempo. Eles se organizam para que as mulheres e crianças passem primeiro e ajudar os que mais necessitam”, acrescenta Giovanna Tipan.  

Antony, que deixou Caracas há uma semana, confirma: “No começo eu não conhecia ninguém. Mas fiz amigos de verdade. Todos ajudam uns aos outros. Se há pessoas que não têm o que comer ou se lhes faltam algo, outros vão compartilhar o que possuem. Estou viajando agora com duas garotas que se tornaram minhas irmãs”.