PUBLICIDADE
Topo

"Coletes amarelos": após agressão de policiais, premiê promete restabelecer ordem na França

24/12/2018 12h10

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, afirmou nesta segunda-feira (24) que está determinado em "restabelecer a ordem" no país, depois do sexto fim de semana de violências durante as manifestações dos "coletes amarelos". O premiê conversou com a imprensa ao sair de uma delegacia onde encontrou policiais agredidos por militantes no sábado (22) em Paris.

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, afirmou nesta segunda-feira (24) que está determinado em "restabelecer a ordem" no país, depois do sexto fim de semana de ...

"Este debate e o funcionamento de nossas instituições exigem um retorno à ordem" e "o fim das provocações", afirmou Philippe. O primeiro-ministro também também criticou o comportamento de alguns militantes, que fizeram provocações antissemitas e, segundo ele, atacaram "deliberadamente as forças de segurança".

"Não confundo aqueles que se manifestam desta forma e aqueles que pacificamente expressam suas reivindicações", salientou.

Philippe também diz esperar que os "coletes amarelos" que agrediram membros das forças de segurança sejam punidos. O premiê se encontrou com os policiais atacados por manifestantes na avenida Champs-Elysées no sábado.

Vídeos deste confronto entre "coletes amarelos" e policiais motoqueiros, publicados nas redes sociais neste fim de semana, causaram polêmica. Acuados pelos militantes, um oficial caiu da moto que estava dirigindo, sacou sua arma e apontou para os manifestantes. Atacados por dezenas de pessoas, os três policiais bateram em retirada deixando um dos veículos no chão. O ministério público de Paris abriu uma investigação por violências voluntárias e degradações de bens públicos.

"Gostaria de agradecer por sua boa atuação e dizer que tudo está sendo feito para identificar os autores dessas violências, que serão julgados e, eu espero, severamente punidos", afirmou Philippe. Segundo ele, o debate prometido pelo governo para responder à revolta dos "coletes amarelos" deve ser iniciado muito em breve.

Denúncia de antissemitismo

As autoridades prometem investigar a denúncia de antissemitismo feita por uma mulher de 74 anos. Ela relatou à polícia que presenciou três "coletes amarelos" dentro do metrô gritando frases e slogans anti semitas.

A mulher chegou a pedir para que os indivíduos, segundo ela, visivelmente embriagados, parassem as agressões verbais, dizendo ser judia e falando que seu pai foi deportado para um campo de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. Mas, de acordo com seu depoimento, os manifestantes reiteraram as ofensas, negando que o Holocausto tenha ocorrido, atitude que na França é considerada como um crime contra a humanidade.