PUBLICIDADE
Topo

Brasileira abre em Manhattan bar inspirado em Andy Warhol

26/01/2019 00h00

O setor de gastronomia é um dos mais desafiadores que existem. Ter sucesso com um restaurante em uma cidade competitiva como Nova York é ainda mais difícil   e não é um negócio para fracos. Mas força é o que não falta à brasileira Roberta Souza, que acaba de abrir seu segundo bar e restaurante em Manhattan, o já badalado The Factory 380, inspirado no ícone da arte pop Andy Warhol. Em meio a tantos debates sobre o papel dos imigrantes nos Estados Unidos, a carioca de 37 anos é um exemplo de empreendedora que, chegando ao país há 20 anos e trazendo consigo apenas disciplina e ambição, conquistou o sonho americano.

O setor de gastronomia é um dos mais desafiadores que existem. Ter sucesso com um restaurante em uma cidade competitiva como Nova York é ainda mais difícil   e não é um negócio para fracos.

Correspondente da RFI Brasil nos Estados Unidos

“Quando cheguei aqui não tinha muito dinheiro, não tinha nada. Cheguei como imigrante, com vida de turista”, conta Roberta.

Logo ficou claro que a vida de turista não era para a jovem de espírito empreendedor e ela começou a trabalhar em Nova York. A mãe de Roberta sempre foi cozinheira profissional, portanto o ambiente de restaurante já lhe era familiar e parecia uma escolha natural para a jovem imigrante. Aos 18 anos, Roberta começou a difícil escalada no mundo dos negócios em gastronomia, passando por todas as funções de um restaurante. De “faz-tudo” ela passou a empresária, que hoje emprega cerca de 65 pessoas.

Depois de dar muito duro como recepcionista, garçonete e preparando coquetéis, Roberta decidiu que queria ter seu próprio negócio, a lanchonete especializada em hambúrgueres, Burger Burger. Entusiasmada com o sucesso do seu primeiro restaurante, o espírito empreendedor da carioca falou ainda mais alto. Roberta vendeu a Burger Burger e, em 2011, abriu a cervejaria Taproom 307, que ainda hoje atrai uma grande clientela ao seu ambiente orientado para esporte e fica a poucas quadras do The Factory 380, o novo empreendimento de Roberta com seus sócios e grandes fãs de Andy Warhol, Scott Connolly e Cillian Fanning, além do empresário do setor de gastronomia, Ronan Downs, que abriu suas portas no início deste ano.

Relações menos robóticas

O clima do bar, restaurante e mini boate se baseia no filme The Factory Girl, sobre uma das musa de Warhol, Edie Sedgwick. A ideia é recriar o ambiente do Studio 54, a célebre casa noturna que, entre 1977 e 1986, atraía estrelas como Mick Jagger e Lou Reed, além, é claro, do próprio ícone da pop art. Os proprietários do The Factory 380 – o nome presta homenagem ao estúdio de Warhol em Manhattan, que se chamava The Factory – querem trazer de volta à Nova York um pouquinho de uma época em que as pessoas interagiam e se divertiam de modo mais espontâneo e pessoal, em um mundo ainda não dominado pela internet e pela tecnologia. Roberta acredita que, como resultado da constante presença da tecnologia no dia a dia e da cultura do politicamente correto, as relações hoje são pouco pessoais e muito robóticas.

“Hoje em dia, especialmente em Nova York, todo mundo fica sentado, olhando para celular e ninguém está se comunicando, fica difícil fazer amizades. Seria bem legal se, em vez de termos tanta tecnologia e estarmos tentando virar máquinas, a gente voltasse a ter tempo para ser pessoas. O bar foi realmente baseado em querer voltar àquela era, em querer se divertir, comer bem, beber bem”, diz a empreendedora.

The Factory 380 oferece um cardápio inspirado na comida que se encontra pelas ruas das cinco regiões da cidade de Nova York, como fritas de berinjela à parmegiana e tacos de carneiro, e coquetéis com nomes divertidos como The Camera Adds 10 Pounds (A Câmera Acrescenta 5kg, na tradução livre) e I Wish I Could Paint Our Love (Queria Poder Pintar Nosso Amor, na tradução livre). O endereço é 380 3rd Avenue, Nova York, NY.