Empreendedor multitalentoso não pode perder o equilíbrio e a vontade de seguir investindo

Richard Branson

Richard Branson

  • Shutterstock

P.: Tenho 19 anos e sinto que estou no caminho certo. Trabalho para um centro de empréstimos empresariais, onde estou aprendendo muito, e administro um fundo que investe em pequenas empresas, que tem sido realmente lucrativo. Também sou dono de um restaurante que serve café da manhã e almoço. Tenho sócios, é claro, caso contrário teria dificuldades em administrar meu tempo.

Como você, estou sempre à procura de novas ideias de negócios, apesar de nem todo novo negócio ter funcionado como eu esperava (eu já fechei duas empresas).

Minhas perguntas para você são:

- Após lançar um negócio, quanto tempo é preciso esperar até começar a trabalhar em outro?

- Qual é a melhor forma de manter o controle sobre um negócio quando você tem sócios?

- Se uma empresa tem prejuízo em um mês, mas você tem certeza que se recuperará no próximo, como devo transmitir essa informação aos meus sócios?

Jaime A. Navarro Nava, México


R.: Primeiro, parabéns por todo seu trabalho árduo e seu impressionante espírito empresarial! Você já conseguiu muito ainda jovem e está construindo uma base sólida de experiência e contatos, que será um grande ativo no futuro. Seu trabalho no campo financeiro é um treinamento útil e seu otimismo e entusiasmo estão transparecendo.

Você me fez três perguntas diferentes, mas todas elas estão ligadas, já que todas as três envolvem o equilíbrio entre o controle sobre seus empreendimentos diferentes e a liberdade de encarar novos.

Como você, estou constantemente tendo ideias para novos negócios. Ao longo das últimas décadas, nós desenvolvemos mais de 100 marcas na Virgin e somos grandes fãs de experimentar novos setores e ideias. O ímpeto de transformar uma ideia em realidade pode ser altamente cativante, quase viciante. Por mais difícil que possa ser se concentrar em uma ideia quando há tantas outras flutuando em sua cabeça, é importante levá-la a cabo.

Quando você abre uma empresa, sua meta principal no primeiro ano deve ser ajudá-la a sobreviver, em vez de abrir uma segunda. Para que tenha uma boa chance de sobrevivência, ele precisa de toda sua atenção, e caso abra demais sua atenção, simplesmente não conseguirá manter o foco. As lições que você aprender ao longo desse ano de desenvolvimento da empresa contribuirão para seu próximo esforço.

Você provavelmente já ouviu dizerem que o empreendedorismo é um caminho solitário, mas para mim nunca foi o caso: eu me cerquei de sócios que estão empenhados na construção de algo incrível quanto eu. Sua carta mostra que você já sabe que não é capaz de fazer tudo sozinho, de modo que está trabalhando com parceiros. É vital que você escolha as pessoas certas à medida que seus negócios expandirem.

Quando precisar escolher um novo funcionário ou sócio, tenha cuidado! Alguns parceiros potenciais podem ver o dinheiro como sendo a principal motivação para abrir um novo negócio. Pergunte a si mesmo: o que está realmente no coração do meu negócio? Por que o lancei? Qual é o nosso propósito? Quem quer que escolha deve compartilhar sua visão e paixão.

Quando você escolhe ótimas pessoas, você não precisa se preocupar com a manutenção do controle. Em vez disso, recompense seus colegas ao lhes delegar responsabilidades importantes; confie neles para ajudá-lo a construir sua empresa.

Isso me leva à sua pergunta final, sobre dar más notícias aos seus sócios. Nunca é fácil, mas será muito mais fácil se você tiver escolhido os parceiros certos. As pessoas que se unirem a você pensando a longo prazo e que compartilharem sua visão não entrarão em pânico por causa de um mês ruim. Trabalhe no desenvolvimento de uma cultura de engenhosidade em sua empresa, que encoraje todos seus funcionários a trabalharem para consertar o que está errado, para que possa recolocar a empresa nos trilhos rapidamente.

Acima de tudo, você precisa ser honesto a respeito do que está acontecendo, sem ter medo de reconhecer erros. Todos nós os cometemos. Na Virgin, houve momentos em que partes de nossos negócios estiveram à beira do desastre. (Eu já tive pessoalmente muitas conversas desconfortáveis com gerentes de banco, especialmente nos primeiros anos!)

Quando algo dá errado, nossa abordagem é ser completamente honesto; é preciso promover um senso de confiança e transparência com seus colegas e funcionários.

Lembre-se, um fracasso não representa o fim do mundo e você já sabe disso, visto que já fechou duas empresas. Mas isso impediu você? Não, não impediu, assim como posso ver que futuros fracassos não impedirão. O importante é que você aprenda com eles e se erga de novo. Boa sorte!

O primeiro ano

O primeiro ano é crucial para muitas empresas e sua meta principal deve ser simplesmente sobreviver aos primeiros 12 meses. Para conseguir isso, tenha estas dicas em mente:

  • Certifique-se de estar focado em um empreendimento de cada vez. Desdobrar-se demais pode ser prejudicial para seu negócio.
  • Escolha parceiros que compartilhem sua visão e cuide para que o dinheiro não seja a principal motivação para trabalharem com você.
  • Desenvolva um senso de confiança e transparência com seus parceiros e funcionários, ao ser honesto quando algo dá errado.
Tradutor: George El Khouri Andolfato

Richard Branson

O megaempresário inglês é criador do grupo Virgin, que tem 200 companhias em mais de 30 países, incluindo a empresa aérea de baixo custo de mesmo nome.

UOL Cursos Online

Todos os cursos