Topo

CarnaUOL

Anderson Baltar


Rosa sai da Portela e Tuiuti tem novo carnavalesco

A carnavalesca Rosa Magalhães com Luis Carlos Magalhães - Fábio Fabato / Divulgação
A carnavalesca Rosa Magalhães com Luis Carlos Magalhães Imagem: Fábio Fabato / Divulgação
Anderson Baltar

Anderson Baltar é jornalista, formado pela UFRJ e tem 42 anos. Com mais de 15 anos de experiência na mídia carnavalesca, foi assessor de imprensa da União da Ilha e Império Serrano, produtor de Carnaval da TV Globo e trabalhou em coberturas de desfiles nas rádios Manchete e Tupi. Desde 2011, é âncora e coordenador da Rádio Arquibancada, web rádio com programação inteiramente voltada para o Carnaval. Em 2015, lançou o livro "As Primas Sapecas do Samba", ao lado dos também jornalistas Eugênio Leal e Vicente Dattoli.

13/03/2019 13h47

A Portela anunciou o encerramento do contrato da carnavalesca Rosa Magalhães. Em comunicado enviado à imprensa na noite de ontem, a azul e branca de Oswaldo Cruz e Madureira agradeceu à contribuição da artista nos dois últimos Carnavais: "A Família Portelense só tem a agradecer todo o carinho, dedicação e empenho daquela que é uma das artistas mais completas e premiadas do Brasil".

Sete vezes campeã pela Imperatriz, Império Serrano e Vila Isabel, Rosa conseguiu o 5º lugar em 2018 e, neste Carnaval, obteve a 4ª posição. Nos bastidores, comenta-se que o sonho da Portela é a contratação de Leandro Vieira. Campeão pela segunda vez na Mangueira, o artista tem raízes portelenses, tendo desfilado como ritmista por vários anos.

Sem Jack Vasconcelos, contratado pela Mocidade Independente de Padre Miguel, o Paraíso do Tuiuti correu para contratar seu substituto. Trata-se de João Vítor Araújo, que nos dois últimos anos fez os desfiles da Unidos de Padre Miguel, na Série A.

Aos 33 anos, João Vítor terá a segunda oportunidade de comandar o barracão de uma escola do Grupo Especial. Em 2015, ele fez o desfile da Unidos do Viradouro. No Tuiuti, terá a responsabilidade de dar sequência ao trabalho de Jack Vasconcelos, que levou à agremiação de São Cristóvão um vice-campeonato e a atenção da opinião pública brasileira para seus desfiles altamente politizados.