Topo

CarnaUOL

Anderson Baltar


Presidente da Imperatriz desiste de renúncia; enredo deve sair em breve

Luiz Pacheco Drumond durante desfile da Imperatriz - Divulgação / João Paulo Corrêa
Luiz Pacheco Drumond durante desfile da Imperatriz Imagem: Divulgação / João Paulo Corrêa
Anderson Baltar

Anderson Baltar é jornalista, formado pela UFRJ e tem 42 anos. Com mais de 15 anos de experiência na mídia carnavalesca, foi assessor de imprensa da União da Ilha e Império Serrano, produtor de Carnaval da TV Globo e trabalhou em coberturas de desfiles nas rádios Manchete e Tupi. Desde 2011, é âncora e coordenador da Rádio Arquibancada, web rádio com programação inteiramente voltada para o Carnaval. Em 2015, lançou o livro "As Primas Sapecas do Samba", ao lado dos também jornalistas Eugênio Leal e Vicente Dattoli.

03/08/2019 16h09

Após mobilização da comunidade da Imperatriz Leopoldinense, que realizou um ato no domingo passado pedindo a sua permanência, na manhã deste sábado, o presidente da escola, Luiz Pacheco Drumond, anunciou que continuará na verde, branco e ouro até o final do seu mandato, em 2021.

A decisão foi publicada em edital em um jornal carioca, obedecendo o que manda o estatuto da agremiação, que já havia marcado, para a próxima terça-feira, uma eleição para definir o seu novo mandatário.

Na expectativa dos torcedores da Imperatriz, este deverá ser o fim das turbulências que envolvem a escola desde a Quarta-feira de Cinzas, quando, no exato dia em que completou 60 anos de existência, a agremiação foi rebaixada para a Série A (Grupo de Acesso).

Se, em um primeiro momento, Drumond afirmou que aceitaria a despromoção, em junho, por conta de um movimento surgido a partir de escolas do Grupo Especial, se beneficiou do que seria a terceira "virada de mesa" consecutiva no Carnaval carioca.

Após a repercussão negativa, três escolas mudaram de ideia e uma nova Assembleia da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba) foi convocada no início de julho, confirmando o rebaixamento da Imperatriz.

Comandando a Imperatriz desde 1976, Drumond deu um novo patamar para a escola do subúrbio de Ramos, conduzindo-a à conquista de oito títulos no Carnaval carioca. E agora terá um novo desafio, que é a de retornar ao desfile das grandes escolas.

Segundo o que a coluna apurou, antes da renúncia o presidente já havia adiantado conversas com um carnavalesco e a definição do enredo teria a ver com o grupo em que a Imperatriz fosse desfilar. A tendência é que o nome do profissional e do enredo sejam divulgados nos próximos dias.

Como a Lierj (Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro), responsável pelos desfiles da Série A, definiu o dia 8 de setembro como data-limite para a definição dos sambas-enredos, crescem os rumores de que a Imperatriz poderá vir a reeditar uma obra de Carnavais antigos.

A encomenda de samba também é cogitada, haja visto que há pouco tempo hábil para que os compositores criem novas obras e que se realize uma disputa.