Cinco exemplos de usos curiosos da urina pela ciência

  • BBC

Urina. Todos nós expelimos este líquido transparente, amarelado e de odor característico várias vezes ao dia sem pensar o quanto ele pode ser útil.

Mas a excreção não serve apenas para detectar se a pessoa tem alguma infecção ou doença; também pode ser útil no cultivo de plantas, como combustível e até para uma viagem espacial. E cientistas já provaram essas utilidades várias vezes.

Veja abaixo cinco delas em vários estágios de desenvolvimento.

1. Da bexiga para a lavoura

Em Brattleboro, no Estado americano de Vermont, mais de 100 voluntários doam urina para uma experiência. No local, funciona o Rich Earth Institute, onde são cultivadas alfaces e cenouras. O pasto é verde e saudável graças à urina doada, uma prática muito usada na Ásia.

O projeto começou em 2011 e conta com o apoio da Universidade de Michigan. Por meio da iniciativa, os cientistas provam que nosso resíduo é um ótimo fertilizante e ainda ajuda a economizar água.

Segundo especialistas, a maioria dos agricultores usa fertilizantes com nitrogênio e fósforo, duas substâncias encontradas na urina.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que ela seja armazenada antes de ser usada no cultivo dos alimentos.

Mas OMS alerta quem quer usá-la na horta de casa, por exemplo. O líquido precisa ser armazenado durante um mês para eliminar qualquer agente que possa causar problemas à saúde. Já no tratamento para uso em escala industrial, a espera deve ser de pelo menos seis meses.

2. Dentes de urina

Cientistas na China conseguiram criar dentes a partir de células-tronco encontradas na urina.

Pesquisadores do Instituto de Biomedicina e Saúde de Guangzhou, no sul do país, publicaram recentemente um estudo na revista especializada Cell Regeneration onde explicam como conseguiram criar estruturas parecidas com as de um dente, com polpa, dentina e esmalte.

O único problema é que essas estruturas não eram tão duras como um dente. Mas o trabalho abre caminho para usar as células encontradas na urina para a regeneração de dentes no futuro, dizem eles.

Depois da publicação do trabalho, John Comisi, da Academia Geral de Odontologia dos Estados Unidos, disse à rede de TV americana CBS que, como se trata de um resíduo descartado pelo corpo humano, a urina tem células e "faz sentido poder usar (estas células) desta maneira".

3. Carregadores de celular e outros dispositivos

"Um dos produtos que podemos ter certeza de fornecimento infinito é nossa urina", disse Ioannis Ieropoulos, do Laboratório de Robótica da Universidade de Bristol, na Grã-Bretanha, quando, há alguns anos, explicava como tinha desenvolvido uma forma de carregar telefones celulares com urina.

Ieropoulos não foi o único a pesquisar como tirar energia desse líquido. Recentemente, os pesquisadores da Universidade de Bath, também na Inglaterra, desenvolveram uma célula de combustível em miniatura que pode gerar eletricidade a partir do nosso resíduo.

Segundo os especialistas, esta pode ser uma solução para oferecer energia acessível e renovável.

Uma célula de combustível microbiana trabalha com processos elétricos biológicos naturais das bactérias para converter matéria orgânica em eletricidade.

Outra vantagem, segundo os pesquisadores, é que essas baterias são econômicas, cada dispositivo custa cerca de US$ 1,5 (cerca de R$ 5), eficientes e produzem quase nenhum resíduo na comparação com outros métodos tradicionais de geração de eletricidade.

Estas baterias permitem carregar --pelo menos no laboratório-- telefones celulares e outros dispositivos.

4. Combustível

Gerardine Botte, cientista da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, se especializou em transformar urina em combustível de hidrogênio.

A premissa parece simples. A urina tem dois compostos que poderiam ser fonte de hidrogênios (amônia e ureia), então, se você coloca um eletrodo no líquido e aplica uma corrente suave, o gás de hidrogênio produzido poderia ser usado para alimentar uma célula de combustível.

Segundo o jornal britânico The Guardian, a tecnologia que a professora de engenharia química e biomolecular desenvolveu possui um sistema que opera de forma muito parecida com a eletrólise da água, "um processo que se utiliza para produzir hidrogênio".

A vantagem do sistema de Botte é que a amônia e a ureia da urina usam menos força para manter os átomos de hidrogênio e, por isso, não precisa de tanta energia para separá-los.

5. Xixi no espaço

Esse uso talvez seja conhecido por alguns. Para se hidratar, os astronautas bebem sua própria urina --e a dos colegas-- na Estação Espacial Internacional.

Quando se está no meio do caminho entre a Terra e a Lua, conseguir água potável é uma tarefa muito difícil. E o transporte do líquido até a estação também fica muito caro.

O astronauta canadense Chris Hadfield explicou que, no espaço, 93% da água usada também é reutilizada.

Eles aproveitam o máximo possível de todos os líquidos, incluindo suor e urina.

"Tem gosto de água engarrafada", afirmou Layne Carter, do Centro de Voo Espacial Marshall, da Nasa, ao site da Bloomberg.

Para Carter, basta superar a questão "psicológica" de que se está bebendo urina reciclada.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos