Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos

É mentira que mulher torturada diante dos filhos matou militares

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Do UOL, em São Paulo

25/10/2018 18h03

Não é verdade que Maria Amélia de Almeida Teles, conhecida por Amelinha Teles, foi condenada por matar militares durante a ditadura. Uma montagem circula nas redes sociais e no WhatsApp com a imagem de uma senhora e a afirmação de que Amelinha e seu marido mataram e esquartejaram militares. Ela e o marido, Cezar Augusto Teles, não cometeram estes crimes e nunca foram acusados, tampouco julgados, por eles.

O boato veio à tona depois de Amelinha aparecer em um programa eleitoral do candidato a presidente Fernando Haddad (PT) no último dia 16. Ela deu um depoimento contando como ela e seu marido foram presos em dezembro de 1972, torturados e humilhados pelos militares na frente dos filhos.

O casal foi preso com outros militantes do PCdoB. A acusação, na época, era de “agrupamento prejudicial à segurança nacional”, e estava relacionada ao que foi classificado como “propaganda escrita” do partido - a edição de jornais, panfletos e artigos com conteúdo supostamente subversivo. O processo é de março de 1973. Ela foi condenada a sete meses de reclusão.

No trecho em que o documento detalha a atuação de Amelinha no grupo não há qualquer menção a crimes de homicídio. O processo diz que Amelinha e o marido eram responsáveis pelo setor de imprensa do partido, e que a residência do casal havia se tornado um “aparelho” da sigla.

Amelinha e o marido foram torturados no DOI-CODI, em São Paulo. O comandante da unidade era o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que participou das sessões de tortura do casal e foi declarado torturador pela Justiça brasileira em 2008. O candidato Jair Bolsonaro (PSL) dedicou à memória de Ustra o voto pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016, acrescentando que ele era o “pavor” da então presidente. DIlma também foi torturada por Ustra durante a ditadura.

No vídeo da campanha do PT e em outros depoimentos, como os prestados à Comissão da Verdade e à novela “Amor e Revolução”, Amelinha descreve o tipo de tortura a que o casal foi submetido: cadeira do dragão, choques, espancamento e violência psicológica, com ameaças aos filhos. As crianças - Janaína e Edson, na época com 5 e 4 anos, respectivamente - foram levados para verem os pais torturados. Janaína também participou do vídeo da campanha de Haddad, relatando que se lembrava de ter sido forçada a ver os pais naquela situação.

Após a veiculação do vídeo e da circulação do boato sobre Amelinha, ela passou a sofrer ameaças pelas redes sociais. Amigos gravaram um vídeo em apoio a ela.

A falsa informação sobre Amelinha foi enviada para o WhatsApp do projeto Comprova. Postagens sobre o tema em sites e redes sociais foram apagados. Uma das que ainda está no ar é da página "Curitiba Contra a Corrupção", que teve 12,1 mil compartilhamentos desde o último dia 19.

A "Agência Lupa" também desmentiu a falsa informação sobre os homicídios.

Agora a peça de desinformação foi verificada pela “Gazeta do Povo” e pelo “Jornal do Commercio”, além do UOL, da “Folha de S.Paulo”, do “Estadão”, todos integrantes do projeto Comprova.

O UOL Confere é uma iniciativa do UOL para combater e esclarecer as notícias falsas na internet. Se você desconfia de uma notícia ou mensagem que recebeu, envie para uolconfere@uol.com.br.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Newsletters

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero receber

Mais UOL Confere