Dor nas costas salva político de queda de avião no Amazonas

Arthur Guimarães
Do UOL Notícias
Em São Paulo

Uma consulta médica salvou a vida de João Lidanio Cavalcante, secretário de Educação de Maués, cidade a 276 quilômetros de Manaus. De passagem pela capital do Estado para resolver pendências administrativas esta semana, ele estava escalado na comitiva que levaria a secretária de Educação do Estado, Cinthia Régia Gomes do Livramento, para a apresentação de um painel escolar em Maués ontem (13) à noite.

Por conta de “fortes dores nas costas” causadas por uma hérnia, ele foi obrigado a cancelar a viagem. Tudo para conseguir uma consulta com um massagista e acupunturista em Manaus. “Desde segunda-feira, estava combinado. Fui convidado pela secretaria estadual e já tinha programado de voltar para Maués com o grupo do governo na quinta-feira”, conta ele.

Veja o trajeto previsto da aeronave


Ontem de manhã, no entanto, as pontadas nas costas pioraram. “Normalmente, as decolagens são à ‘tardinha’, no começo da noite. Então marquei a consulta para às 16h. Mas fui avisado que a partida tinha sido adiantada para às 15h. Então comuniquei, mesmo em cima da hora, que não poderia ir. Estava com muita dor”, lembra ele.

A aeronave que partiu do aeroclube de Manaus caiu logo após iniciar o voo, matando todos os passageiros e o piloto. “Quando recebi a notícia, minhas pernas começaram a tremer. Senti uma palpitação no coração. Foi muito estranho”, diz. “Ao mesmo tempo que estava aliviado, sabendo que poderia estar morto, fiquei extremamente triste em saber do falecimento de nossa secretária e das outras pessoas”, afirma ele, que hoje compareceu ao velório organizado em Manaus.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou nesta sexta-feira (14) que a documentação da aeronave, assim com a do piloto, estavam em dia. A Aeronáutica está no comando de uma investigação que irá apontar as causas do acidente – tal análise tem um prazo inicial de 90 dias para ser concluída.

Localmente, um inquérito policial também foi aberto na Delegacia Especializada de Ordem Pública e Social do Amazonas. Amanhã, a delegada responsável pelo caso, Catarina Saldanha Torres, deverá ir até o local da queda do avião ouvir testemunhas. “Vamos juntar os relatos aos laudos do Instituto Médico Legal (IML) e do Corpo de Bombeiros para saber o que de fato aconteceu. Estamos atuando junto com o Ministério Público para esclarecer o ocorrido”, disse ela.

Como explica a autoridade policial, na imprensa da região foi noticiado que vizinhos do local da tragédia chegaram a ver sobreviventes. “Eles disseram que viram gente saindo engatinhando. Mas que uma explosão teria impossibilitado qualquer resgate.” A investigação, iniciada hoje, deverá durar 30 dias.

A CTA Taxi Aéreo, empresa contratada pelo governo para a viagem, emitiu uma nota informando que a aeronave acidentada era emprestada de outra empresa do ramo. Segundo a CTA, a aeronave - um Sêneca II, fabricado pela Embraer, e com prefixo PT-EUJ - “estava regular e possuía todos os requisitos para voar, portando sem nenhum impedimento legal de ser utilizada”.

Segundo a firma, “a prática de terceirização de aeronaves entre empresas de táxi aéreo é permitida pelas normas da aviação civil”. A empresa afirma que, “mesmo não sendo proprietária da aeronave, assume as responsabilidades profissionais pelo acidente”. A CTA diz ainda que o piloto do avião, Miguel Vaspeano Lepeco, tinha 25 anos de experiência e já tinha voado diversas vezes na aeronave, sem nenhum incidente. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos