Alex de Jesus/ O Tempo/ AE

Caso Eliza Samudio

Em depoimento, primo de Bruno afirma que viu Eliza ser sufocada; veja íntegra

Do UOL Notícias*

Em São Paulo

Leia a seguir a íntegra do depoimento do primo menor de idade do goleiro Bruno:

Que ciente de suas garantias constitucionais, dentre as quais a de ficar em silêncio, após permanecer na sala com seu tio (...), seu representante legal, refletiu sobre o depoimento inicialmente prestado e, na presença deste, deseja esclarecer que está muito arrependido dos fatos e deseja que todo o ocorrido seja esclarecido;

Que como já foi dito no primeiro depoimento, o declarante no início do mês de junho, em uma data que o declarante não sabe precisar, foi convidado por um funcionário de seu primo BRUNO DE SOUZA, o qual é goleiro do Flamengo, conhecido pelo apelido de MACARRÃO, que na realidade se chama LUIZ HENRIQUE, para ajudá-lo a levar uma ex-namorada de BRUNO de nome ELIZA para Belo Horizonte;

Que MACARRÃO já havia planejado tudo, pedindo ao declarante que ficasse de posse de uma arma escondido no porta-malas do carro que iriam utilizar; Que o carro utilizado foi o veículo Land Rover, de propriedade de seu primo BRUNO;

Que passaram em uma lanchonete McDonalds e compraram sanduíches para que não precisassem parar na estrada; Que efetivamente, compareceram a um flat localizado na Barra da Tijuca, nas proximidades do Condomínio Riviera, sendo que o declarante ficou efetivamente escondido na mala, armado, enquanto MACARRÃO foi pegar ELIZA no hotel;

Que conforme combinado, MACARRÃO entrou no carro assumindo a direção, enquanto ELIZA entrou no banco de trás; Que MACARRÃO tomou direção da praia, e que após alguns minutos do carro em movimento, o declarante que se encontrava na mala do veículo, porém com a tampa aberta, levantou-se e pulou para o banco de trás do veículo com arma em punho, rendendo ELIZA e falando "PERDEU, ELIZA";

Que ELIZA tomou um susto, chegando a dar um tapa na arma sendo que a arma caiu e ELIZA apanhou a arma;
Que o declarante anteriormente havia retirado o carregador da pistola, portanto a mesma estava desmuniciada; Que ELIZA, ao pegar a arma, tentou efetuar disparos contra o declarante, porém como já foi dito, a arma estava desmuniciada; Que em ato contínuo o declarante tomou a arma de ELIZA e lhe deu três coronhadas na cabeça;

Que ELIZA permaneceu lúcida, porém ensanguentada devido às coronhadas; Que ELIZA quando entrou no carro, trazia no colo seu filho de poucos meses, o qual foi acomodado em um bercinho no banco de trás;

Que após ser agredida, ELIZA apesar de lúcida não esboçou nenhuma reação; Que o declarante já havia recuperado a pistola após a agressão, municiou a mesma e sob a mira da pistola conduziu ELIZA por toda a viagem sem qualquer parada;

Que ao chegar em Minas Gerais, se dirigiram até o sítio de propriedade de seu primo BRUNO; Que chegaram na parte da madrugada; Que o declarante dormiu em um quarto sozinho, MACARRÃO dormiu em outro quarto e ELIZA ficou com seu filho em um outro quarto;

Que neste dia também havia uma empregada doméstica; Que no dia seguinte, ELIZA não permaneceu trancada no quarto, mas SERGIO que havia chegado neste dia, tinha a incumbência de ficar vigiando ELIZA; Que SERGIO era a única pessoa responsável pela vigia de ELIZA;

Que neste dia, ELIZA aceitou almoçar, mas comeu muito pouco; Que no período da noite, ELIZA ficou assistindo televisão; Que ELIZA não tinha acesso ao seu telefone celular ou a qualquer outro telefone, pois SERGIO não permitia que a mesma realizasse telefonemas;

Que no dia posterior, SERGIO prosseguiu vigiando ELIZA, pois a mesma não podia sair do sítio nem realizar ligações;

Que o declarante esclarece que presenciou SERGIO ROSA SALES entregar o telefone para ELIZA para que a mesma realizasse ligação para uma amiga de São Paulo; Que SERGIO mandava ELIZA dizer que estava tudo bem e que ela receberia dinheiro e apartamento em BH;

Que ELIZA foi ameaçada de morte por SERGIO caso não falasse o combinado;

Que durante este período permaneciam na residência o declarante, MACARRÃO, SERGIO, a empregada doméstica, ELIZA e seu filho; Que no dia seguinte, seu primo BRUNO, goleiro do Flamengo, chegou de táxi no sítio, pois havia viajado de avião para Belo Horizonte;

Que BRUNO ao chegar, constatou que o declarante, MACARRÃO, SERGIO, a empregada doméstica, ELIZA e seu filho estavam no sítio, Que BRUNO ficou surpreso quando viu ELIZA assistindo televisão na sala de seu sítio;
Que BRUNO saiu da sala e disse para o declarante, MACARRÃO e SERGIO: "O QUE ESTÁ ACONTECENDO"?;

Que o declarante ficou calado, mas se recorda que MACARRÃO e SERGIO conversaram com BRUNO; Que o declarante ouviu BRUNO dizer para MACARRÃO e SERGIO que era para eles resolverem o problema, pois não queria problemas para o seu lado, uma vez que não saberia de nada;

Que ouviu MACARRÃO e SERGIO conversarem sobre a forma que iriam resolver o problema, ouvindo ainda que não poderiam libertar ELIZA pois o problema seria maior ainda;

Que BRUNO disse que "já tinha acontecido merda da primeira vez e que não queria que o problema se repetisse com ELIZA"; Que o goleiro BRUNO permaneceu no sítio durante duas horas e depois chamou um táxi no sítio para levá-lo até o aeroporto de BH, pois queria voltar para o RJ no mesmo dia;

Que no dia seguinte no período da noite, por volta da 23h00, SERGIO DA ROSA SALES, que é primo do declarante, disse que ELIZA seria levada para um apartamento localizado em BH; Que SERGIO contou a mesma história para ELIZA e ela acreditou; Que o declarante também achava que SERGIO estivesse falando a verdade; Que o declarante, MACARRÃO, SERGIO, ELIZA e seu filho entraram no veículo Lange Rover, de cor verde, e foram com destino a BH;

Que MACARRÃO foi dirigindo o veículo; Que durante o trajeto percebeu que SERGIO havia mentido para o declarante, pois MACARRÃO havia entrado em um outro local que se parecia com um sítio;

Que ao chegar neste sítio, foram recebidos por um indivíduo negro, alto, magro, cabelo curto, chamado NENÉM; Que neste momento percebeu que no local existia uma faca grande no local; Que logo em seguida, NENÉM pegou ELIZA, amarrou seus braços com uma corda e logo em seguida, deu uma "gravata" em ELIZA, sufocando-a;

Que neste momento, NENÉM pediu que o declarante, MACARRÃO e SERGIO saíssem do local; Que todos saíram e SERGIO estava carregando o filho de ELIZA em seus braços; Que logo depois, NENÉM passou carregando um saco e seguia em direção de um canil;

Que neste canil estavam quatro Rotweillers; Que o declarante, MACARRÃO e SERGIO viram o momento em que NENÉM retirou a mão de ELIZA e arremessou para dentro do canil;

Que os cachorros, no mesmo momento, começaram a comer a mão que havia sido arremessada; Que o declarante, MACARRÃO e SERGIO, após visualizar tal cena, saíram do local e entraram no veículo Lange Rover com destino ao sítio de BRUNO, Que MACARRÃO voltou conduzindo o veículo;

Que chegaram no sítio e encontraram a namorada do goleiro BRUNO chamada DAYANE; Que SERGIO entregou a criança para DAYANE; Que DAYANE indagou sobre ELIZA; Que SERGIO disse a DAYANE que haviam deixado ELIZA em um apartamento localizado em BH e que a mesma havia entregue a criança para ser entregue ao goleiro BRUNO;

Que SERGIO disse que havia entregado determinada quantia em dinheiro para ELIZA e que a mesma não poderia mais cuidar do filho; Que DAYANE acreditou e todos passaram a noite no sítio; Que no dia seguinte, no período da manhã, o declarante por iniciativa própria decidiu limpar o carro Land Rover interna e externamente; Que presenciou MACARRÃO ligar para NENÉM e perguntar se o mesmo havia ocultado o corpo de ELIZA;

Que NENÉM respondeu que havia dado pedaços do corpo de ELIZA para os cachorros e o restante dos ossos havia concretado no mesmo terreno onde ELIZA foi morta; Que o declarante e MACARRÃO voltaram para o RJ no ônibus do time do 100% [mantido pelo goleiro];

Que ao retornar ao RJ, se acomodaram na residência do goleiro BRUNO;

Que SERGIO voltou no mesmo dia para sua casa; Que ao chegar no RJ, não contou nada para BRUNO, mas acredita que MACARRÃO tenha contado tudo para o goleiro BRUNO; Que MACARRÃO, no dia de hoje, saiu de casa para resolver problemas particulares do goleiro BRUNO;

Que o declarante deseja esclarecer que sua intenção era tão somente de auxiliar no transporte de ELIZA para BH, pois MACARRÃO havia dito que estaria resolvendo os problemas particulares de BRUNO com ELIZA;

Que sabe informar que MACARRÃO havia retirado a quantia de R$ 3.000,00, pois viu o momento em que MACARRÃO contou o dinheiro após voltar do banco; Que MACARRÃO havia dito que esta quantia seria entregue para ELIZA; Que o declarante não recebeu dinheiro para a prática dos fatos acima relatados;

Que o declarante foi se surpreendendo com os fatos a medida em que os dias se passavam, pois percebeu que determinadas decisões fugiam do seu poder de controle;

Que embora estivesse surpreso, participou na medida do que era solicitado por MACARRÃO, SERGIO e NENÉM; E nada mais disse.

Nada mais havendo, mandou a Autoridade Policial encerrar o presente Termo que, lido e achado conforme, assina o (a) Adolescente - Infrator.

*Informações da Folha de S.Paulo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos