PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Com bom humor, Prefeitura de Curitiba ganha seguidores nas redes sociais

Página da Prefeitura de Curitiba no Facebook já foi curtida por 118 mil usuários da rede social - Reprodução
Página da Prefeitura de Curitiba no Facebook já foi curtida por 118 mil usuários da rede social Imagem: Reprodução

Osny Tavares

Do UOL, em Curitiba

17/04/2014 06h00

A Prefeitura de Curitiba liberou recentemente 750 novas placas de táxi. Em seu perfil no Facebook, o órgão tratou de informar que nenhum dos novos taxistas faz o estilo Travis Bickle, o psicopata do filme "Taxi Driver", de Martin Scorsese. A postagem exemplifica a estratégia de comunicação nas redes sociais adotada pela administração municipal, que vem ganhando fãs dentro e fora da capital paranaense. A página no Facebook é curtida por 118 mil pessoas, quase 10% da população da cidade. No Twitter, são outros 23 mil seguidores.

Desde março passado, as páginas na rede começaram a ganhar um perfil mais informal, que tentam se aproximar da cultura e dos símbolos locais. São comuns os comentários irônicos sobre o clima instável na cidade como: “neste momento temos 16 ºC e a perspectiva de tirar e colocar a blusa várias vezes durante o dia de hoje”; ou: “o mundo falando do eclipse lunar de ontem que durou 78 minutos e ninguém ainda se deu conta do eclipse solar que já dura 49 horas em nossa cidade".

No Brasil, a iniciativa em administrações públicas não é muito comum. São Paulo sequer tem um perfil oficial no Facebook. No Rio de Janeiro, o tom das postagens é o mesmo da agência oficial da prefeitura.

Outras cidades, de porte menor, tendem a apenas reproduzir conteúdo das assessorias de comunicação. Como comparativo, a página do Rio no Facebook tem 104 mil seguidores, 13 mil a menos que Curitiba, para uma cidade com quase o quádruplo da população da capital do Paraná. A Prefeitura de Salvador, cuja página se assemelha à do Rio, tem 35 mil seguidores entre 2,7 milhões de habitantes.

A forma curitibana de atuar na internet foi inspirada em exemplos internacionais, como o de Barack Obama (tanto a campanha quanto a gestão de comunicação da Casa Branca) e das prefeituras de Berlim, Nova York, Amsterdã e Paris.

“Estamos tentando mudar uma cultura de comunicação pública muito formal e, com isso, aproximar o discurso político do dia a dia do cidadão, do jovem principalmente”, afirma Marcos Giovanella, diretor do setor da prefeitura que abriga sete profissionais, entre analistas, um jornalista e até um conhecido ator cômico local.

No entanto, alguns usuários às vezes criticam o trabalho por ser pueril e pouco construtivo. Enquanto a equipe conversava com o UOL, recebeu um comentário numa postagem: “Esse é o trabalho de vocês, nunca vi tanta falta do que fazer”, que obteve cinco “likes”. Um dos analistas respondeu: “Ontem ficamos esperando sua participação na consulta pública sobre o orçamento, mas infelizmente você não apareceu”, comentário curtido por 85 pessoas. 

“Estamos usando a ferramenta para o que ela foi criada, que é o diálogo. A crítica é livre, e nenhum pedido de informação fica sem resposta”, diz Álvaro Borba, responsável pelo perfil no Twitter.

“Assim como uma marca gera um engajamento para que o consumidor consuma o produto, queremos que as pessoas consumam a prefeitura, participando de forma cidadã."

Existe, no entanto, o cuidado de mediar as críticas para que o espaço não se torne uma tribuna de ofensas, algo comum em plataformas da web. As críticas são mantidas, mas quando há calúnia ou ofensa, o comentário é apagado e o usuário, comunicado da retirada.

Outro procedimento é jamais usar a imagem ou o nome do prefeito --atualmente, Gustavo Fruet (PDT). As páginas pessoais de Fruet são administradas por outra equipe e embora às vezes se aproxime na forma de atuação, é mais contida. 

O objetivo declarado do formato é chamar a atenção a partir das brincadeiras e embutir as informações sobre a cidade. O caso dos novos táxis é um exemplo, assim como uma campanha para redução e gestão mais adequada do lixo.

“Os usuários acabaram entendendo a nossa maneira de atuar, agregando a informação dos serviços com comentários de interesse humano”, diz Giovanella.

Eles dizem acreditar que estão desconstruindo a noção que Curitiba é uma cidade fechada e de população sisuda. Seguidores de outras cidades comentam o impacto da página bem-humorada, e os próprios analistas pediram recentemente apoio no Twitter para detratar o colunista José Simão, que sempre atribui as características de mau humor a Curitiba: “O @jose_simao ainda acha que Curitiba é antipática. Vamos mostrar toda nossa simpatia e amor, só pra contrariar!”

Cotidiano