PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Após confusão, rodoviários do Rio suspendem votação sobre greve até dia 27

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, no Rio

20/05/2014 19h29

Os rodoviários do Rio de Janeiro suspenderam as decisões sobre paralisações da categoria, em assembleia realizada nesta terça-feira (20), até o dia 27 de maio, quando os trabalhadores se reunirão com o MPT (Ministério Público do Trabalho).

Segundo Hélio Teodoro, um dos líderes do movimento, o objetivo é dar mais tempo para que seja aberto um novo canal de negociação com o sindicato patronal, o Rio Ônibus, e com a prefeitura. Eles reivindicam aumento salarial de 40% (e não os 10% acordados entre o sindicato da categoria e as empresas de ônibus), o fim da dupla função e reajuste no valor da cesta básica –de R$ 150 para R$ 400.

A assembleia foi marcada por um racha entre os membros do comando de greve. Uma hora depois, eles fizeram as pazes e decidiram reunificar. Tudo começou quando três dos quatro líderes, Hélio Teodoro, Luiz Fernando Mariano e Luís Cláudio da Rocha Silva, chegaram à assembleia. Eles acusavam a quarta componente do comando de greve, Maura Gonçalves, de trair o movimento.

"Ela vai ser candidata à presidência do sindicato no ano que vem", afirmou Mariano. AO UOL, Maura negou que estivesse se mobilizando para tal. "Eu fui expulsa do sindicato. Não sou traíra", declarou.

Com a confusão, dois grupos se formaram --um defendia a paralisação imediata e o outro sustentava a tese de que seria melhor esperar até o dia 27. Passado o bate-boca e a troca de acusações, Teodoro pediu desculpas a Maura, que concordou com a estratégia do colega: marcar uma nova assembleia para a terça-feira (27) da semana que vem, às 16 horas, na Candelária.

"No dia 27, vamos sair do encontro com o MPT e toda a categoria vai escolher. Ou para ou não para", explicou Teodoro.

A reunião marcada para o Ministério Público do Trabalho diz respeito às denúncias apresentados pelos rodoviários sobre "as péssimas condições de trabalho oferecidas à categoria", explicou a advogada que presta assistência jurídica aos rodoviários, Isabela Blanco.

Rodoviários prestam depoimento

Antes da assembleia, Hélio Teodoro, Luiz Fernando Mariano e Luís Cláudio da Rocha Silva compareceram à DDSD (Delegacia de Defesa de Serviços Delegados), na Cidade da Polícia, na zona norte do Rio, onde prestaram depoimento sobre os mais de 500 ônibus supostamente depredados --na versão das empresas-- na primeira paralisação da categoria, no dia 8 de maio.

Segundo Mariano, a Polícia Civil informou que, caso ocorram novas paralisações com atos de violência, os três podem ser responsabilizados de acordo com o artigo 262 do Código Penal --"expor a perigo outro meio de transporte público, impedir-lhe ou dificultar-lhe o funcionamento".

Já o delegado da DDSD, Alessandro Petralanda, limitou-se a informar que "três rodoviários foram ouvidos nesta terça-feira na sede da especializada". "A delegacia apura as ações criminosas praticadas durante as greves", completou o delegado.

Cotidiano