Nenhum policial foi preso durante manifestação, diz porta-voz da PM do PR

Do UOL, em São Paulo

A Polícia Militar do Paraná desmentiu a informação de que soldados foram presos após se recusarem a participar da contenção de manifestantes em frente à Assembleia Legislativa do Paraná na tarde de quarta-feira (29). "Não houve recusa e não houve prisão de policiais militares", afirmou nesta quinta-feira (30) a coordenadora de imprensa da corporação, Márcia Santos.

Veículos de imprensa noticiaram a recusa e a prisão, inclusive o UOL, que reproduziu reportagem do "Estadão Conteúdo". Na versão impressa de hoje, o jornal "O Estado de S. Paulo" diz que "fontes ligadas à polícia chegaram a informar que 17 policiais foram presos por se recusar a participar do cerco. Posteriormente, o Estado negou a informação, mas a OAB do Paraná prometeu investigar". A reportagem também foi publicada no UOL.

Além da Polícia Militar, o presidente da Associação dos Praças do Estado do Paraná, o sargento aposentado Orélio Fontana Neto, e a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) do Paraná, por meio de sua assessoria de imprensa, disseram que a informação sobre a recusa e a detenção de PMs não se confirmou.

De acordo com o governo do Paraná, 20 policiais militares ficaram feridos ontem. Houve divergência a respeito da quantidade de manifestantes machucados. Para o governo estadual, foram 40 feridos. Para a Prefeitura de Curitiba, pelo menos 160 manifestantes se feriram.

A Polícia Militar rebateu a crítica sobre o "uso desproporcional" da força na ação que impediu a entrada de manifestantes na Assembleia Legislativa do Paraná, em Curitiba, durante a votação de um projeto que muda regras previdenciárias no Estado.

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), que obteve na Justiça o aval para impedir a entrada de manifestantes na sede do Legislativo, defendeu a ação da PM e a atribuiu a violência à ação de black blocks.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná informou que os 13 manifestantes detidos ontem foram soltos. Ainda de acordo com a assessoria, os detidos eram professores e servidores públicos e não havia black blocs no grupo.

Os detidos tiveram de assinar termos circunstanciados e serão investigados. Com eles, a polícia disse ter apreendido coquetéis molotov, paus, pedras e barras de ferro.

PM do Paraná reprime manifestantes
Veja Álbum de fotos

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos