Quase metade de praias analisadas em Florianópolis estão impróprias a banho

Camila Rodrigues da Silva

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

  • Daniel Conzi/Agência RBS/Estadão Conteúdo

    35 dos 75 pontos analisados em Florianópolis estão impróprios para banho, incluindo Canasvieiras (foto)

    35 dos 75 pontos analisados em Florianópolis estão impróprios para banho, incluindo Canasvieiras (foto)

O primeiro relatório do ano da Fatma (Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina) sobre as condições das praias catarinenses mostrou que 35 dos 75 pontos analisados na cidade de Florianópolis (SC), incluindo ilha e continente estão impróprios para banho. Tecnicamente, isso significa que há mais de 800 coliformes fecais para cada 100 ml de água.

O norte da ilha concentra a maior parte deles, sendo que a praia em situação mais crítica é a de Canasvieiras, que está imprópria em toda sua extensão. No teste anterior, divulgado no último dia 18, somente dois de oito pontos estavam próprios. O relatório avaliou 208 pontos em praias de todo Estado de Santa Catarina, sendo que 137 estão próprios e 71 impróprios.

Nesta sexta-feira (8), a prefeitura divulgou que 57% dos imóveis do entorno do rio do Brás (que fica justamente na região mais afetada, entre as praias de Cachoeira do Bom Jesus e Canasvieiras) estão com seu seus sistemas de esgotamento sanitário irregulares. Segundo Marcio Luiz Alves, diretor de proteção dos ecossistemas da Fatma, o motivo é das condições de não balneabilidade é a grande presença de esgoto clandestino na região e o aumento da população, por conta da chegada de muitos turistas.

"O Réveillon é o pico do turismo em Florianópolis, e Canasvieiras é uma das praias que mais recebe turista nesta época do ano. Esse aumento de pessoas acaba trazendo mais produtos contaminantes (sic). Está chovendo muito à noite e na madrugada, e a água leva o material que fica depositado nas galerias pluviais direto para o mar. E isso tudo por causa das estações de esgoto clandestinos: as pessoas ligam o sistema de esgoto direto na galeria pluvial, ou fazem uma fossa e colocam o escape para a galeria fluvial. Tem ainda quem liga o esgoto direto no rio", explicou Alves. Para ele, o problema não é somente o Rio do Brás. "Tem outros riachos, córregos e galerias pluviais com esgoto não tratado que contaminam a região".

Ele esclarece também que nem todas as 42 praias do município são monitoradas -- por isso, não é possível dizer que "metade das praias são impróprias". "Praias como a Galheta, Praia Mole, Naufragados, Joaquina e Moçambique não são monitoradas. A gente procura fazer fiscalização em áreas que têm tendencia a estar contaminadas. Nós monitoramos as praias há 40 anos para evitar que os banhistas que visitam Santa Catarina tenham problemas de contaminação", explica.

A Casan, responsável pela gestão do esgoto de 200 dos 295 municípios catarinenses, se exime da culpa e, por meio da assessoria, argumenta que 100% dos bairros do norte da ilha tem rede, coleta e tratamento de esgoto na região de Canasvierias, Cachoeira do Bom Jesus e ao redor do Rio do Brás. O problema seria que "as casas não interligam seu esgoto na rede que está pronta".

A prefeitura de Florianópolis, por sua vez, justifica que, por meio de um programa chamado "Se Liga na Rede", que tem fiscalizado desde 2013 as residências e construções de sete bairros: quatro no norte (Cachoeira do Bom Jesus, Canasvieiras, Ponta das Canas e Ingleses) e três no leste (Costa da Lagoa, Barra da Lagoa e Lagoa da Conceição). Nesse período, foram inspecionados 2.693 imóveis, segundo comunicado da prefeitura.  O programa é uma parceria entre a prefeitura, a Casan, Aresc (Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina), a Vigilância Sanitária do Estado e a Fatma.

Aumento de viroses e doenças diarreicas

Desde o fim de semana, aumentaram os relatos de virose, vômito e diarreia, principalmente entre crianças. A psicóloga Elisa Ferreira contou que no final de semana foi à praia dos Ingleses com o neto Pietro, de dois anos. Na segunda-feira (4), precisou levá-lo ao pronto-socorro por conta de vários episódios de vômito. "Para minha surpresa, mais de 100 crianças estavam à espera de atendimento pelos mesmos sintomas, e tinham tomado banho na mesma praia", relatou. Ela encaminhou o caso à Vigilância Epidemiológica da Capital para melhor investigação.

O superintendente de vigilância e saúde da Secretária de Saúde do Estado de Santa Catarina, Fábio Gaudenzi, disse que Florianópolis é a cidade com o maior número de de casos de viroses e doenças diarréicas em todo o Estado, mas não confirmou se o aumento dessas enfermidades está além da média registrada durante o verão, muito menos se essas infecções estão relacionadas com as águas contaminadas.

"O padrão de transmissão que a gente identificou é o de doenças virais. Essa contaminação pode ser pela água, por conta de fezes contaminadas, mas também por transmissão respiratória. Há vírus entéricos (que vêm dos intestinos) que podem ser transmitidos pelas gotículas de saliva, o que pode acontecer em locais com grande aglomeração", detalhou Gaudenzi, que também é médico infectologista.

Alves, da Fatma, reforça que é irresponsável afirmar no momento que há relação direta entre essas doenças e a contaminação das praias. "Ainda não há nenhuma comprovação científica de que haja relação entre os dois fatores".

Um estudo sobre o assunto, com dados da Vigilância Epidemiológica sobre a quantidade os casos de doenças diarreicas registrados nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e suas possíveis causas, deve ser divulgado na próxima semana.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos