Com baixa mobilização, MPL realiza ato contra aumento da tarifa em SP

Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo

  • Newton Menezes/ Futura Press/ Estadão Conteúdo

    Manifestantes queimaram catracas de papelão em ato do Passe Livre em SP

    Manifestantes queimaram catracas de papelão em ato do Passe Livre em SP

Foi baixa a participação de manifestantes no 9º ato do MPL (Movimento Passe Livre) contra o aumento da tarifa de transporte coletivo em São Paulo, realizado na tarde desta quinta-feira (25). Batizado de "Festival Pula Catraca", o evento teve apresentações musicais e discursos em frente ao Theatro Municipal, no centro da capital paulista. Ao final, os manifestantes queimaram catracas de papelão.

"O governo foi bem-sucedido em desviar o foco da pauta dos protestos para a questão absurda dos trajetos, além disso houve uma repressão policial muito forte e isso assustou algumas pessoas", afirma a porta-voz do MPL, Laura Viana. "Mas vamos continuar nas ruas contra pela revogação desse aumento".

A última passeata do MPLcontra a elevação da tarifa de ônibus, metrô e trem, que passou de R$ 3,50 para R$ 3,80, havia sido realizada há um mês.

De acordo com a estimativa da Polícia Militar, cerca de 120 pessoas participaram do ato. Número próximo ao contingente policial deslocado pela corporação. Mais de cem homens, como afirmou o tenente-coronel Francisco Cangerana, que comandou a operação. "Nós não sabíamos se haveria ou não passeata. Portanto, deslocamos um efetivo padrão para este tipo de manifestação", disse.

Até 21h30, não houve registro de confrontos em PM e os manifestantes, que após o fim do ato se deslocaram para a Praça dos Correios, também na região central de São Paulo. 

Lei Antiterrorismo

A organização que luta pela tarifa zero criticou a aprovação da Lei Antiterrorismo pela Câmara dos Deputados. "Qualquer movimento social tem medo dessa aprovação, não porque sejamos terroristas, mas porque é uma lei muito perigosa. E a gente sabe muito bem como a Justiça age no nosso país. Há um risco real de movimentos sociais serem enquadrados nesta lei", afirma Laura Viana.

Aprovado na quarta-feira (24), após apelo do governo e em meio à ameaça de organismos internacionais de aplicar sanções ao país, o projeto de lei define o crime de terrorismo no Brasil, que terá pena mínima de 12 anos, e máxima de 30 anos de prisão.

O texto, de autoria do Poder Executivo, mas alterado pelo Congresso, vai agora para a sanção da presidente Dilma Rousseff. A votação foi simbólica (sem registro nominal dos votos). Câmara e Senado divergiram sobre o tema. De acordo com a Folha, prevaleceu a posição dos deputados, que excluíram o "extremismo político" como caracterização do terrorismo, em meio às discussões sobre se a lei representaria uma ameaça às manifestações políticas de rua.

"Quem decide o que são causas legítimas dos movimentos sociais? Essa é uma lei que busca restringir as manifestações dentro dos moldes que o Estado deseja", afirma Laura.

Qual é a estratégia do MPL?

  •  

A tarifa está alta, mas será que os protestos resolvem?

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos