Mulher é indiciada por morte de filha de 9 meses em Belo Horizonte

Rayder Bragon

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

  • Polícia Civil de Minas Gerais/Divulgação

    Jéssica Nunes Mateus, 24, alegou que matou sua filha por ter se irritado com o choro

    Jéssica Nunes Mateus, 24, alegou que matou sua filha por ter se irritado com o choro

Uma mulher que trabalhava em creche de Belo Horizonte foi indiciada por homicídio triplamente qualificado pela morte da filha, de apenas 9 meses, que teria sido asfixiada pela acusada, em janeiro deste ano, dentro de casa situada bairro da região nordeste da capital mineira.

Segundo a Polícia Civil, Jéssica Nunes Mateus, 24, havia confessado o crime e alegado que matou por ter se irritado com o choro da criança. Ela foi apresentada à imprensa, nesta terça-feira (31), após ter sido presa no último dia 24, no Estado do Rio de Janeiro.

Ainda conforme a investigação, no dia do crime, ela acionou o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) alegando que a criança teria se asfixiado com leite de uma mamadeira que usava. A equipe de pronto-atendimento tentou reanimar a menina, mas não conseguiu.

"Com a realização da necropsia, os médicos legistas atestaram a ausência de alimentos nas vias respiratórias da criança. Entretanto, notaram a presença de sinais de asfixia", contou por meio da assessoria da corporação o delegado Emerson Morais, responsável pelo caso.

De acordo com o laudo, havia pontos hemorrágicos no coração e no pulmão do bebê, sinais característicos em casos de asfixia.

Após a liberação do laudo, a acusada foi novamente ouvida pelos investigadores e, neste momento, teria confessado o assassinato. A polícia disse ter ouvido da acusada que ela apertou as narinas e tapou a boca da menina.

No entanto, a polícia informou que ela foi ouvida e liberada porque "não havia mais os requisitos necessários para a prisão em flagrante". Se condenado, ela pode ter de cumprir, caso seja condenada, de 12 a 30 anos pela acusação de triplo homicídio.

A investigação apontou, em seguida, que ela deixou o marido em Belo Horizonte e foi morar com parentes em Duque de Caixas/RJ, onde foi presa.

Perda da visão

A mulher já respondia pelo crime de tentativa de homicídio contra a criança. A polícia revelou que, em maio do ano passado, quando a criança tinha apenas 10 dias de vida,  ela foi agredida com um soco supostamente desferido pela acusada. A mãe teria se irritado após discussão com a sogra sobre supostas agressões à neta.

A recém-nascida foi internada com traumatismo craniano e com a constatação da perda da visão de um dos olhos.

A polícia ainda relatou que testemunhas apontaram histórico de agressões contra a menina cuja autoria atribui à mãe. A acusada foi submetida a exames de sanidade mental que, conforme a investigação descartou a hipótese de ela não ser capaz de responder pelos seus atos. A indiciada não tinha antecedentes criminais.

O UOL tentou localizar algum advogado que representasse a mulher, mas não conseguiu obter a informação se ela já teria nomeado algum profissional para defendê-la. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos