PM era informante de quadrilha de assaltantes de banco ligada ao PCC, aponta MPF

Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação - 19.mar.2013

    Quadrilha ligada à facção paulista usava armamento pesado em roubos a bancos

    Quadrilha ligada à facção paulista usava armamento pesado em roubos a bancos

Uma cabo da Polícia Militar de São Paulo passava informações privilegiadas a membros de uma quadrilha de assaltantes a bancos ligada ao PCC (Primeiro Comando da Capital), informa uma denúncia do MPF (Ministério Público Federal) entregue recentemente à Justiça Federal.

Com membros na capital e no interior paulista, a quadrilha usava armamento pesado, a exemplo de fuzis, e explosivos durante suas operações de roubo.

Em outubro de 2016, investigadores do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), da Polícia Civil de São Paulo, descobriram o vínculo do grupo com PMs. A peça acusatória da Procuradoria da República afirma que uma "policial militar que prestava informações para tal organização criminosa, a fim de que, eles pudessem se antecipar quanto à presença da PM".

A cabo trabalhava no Copom (Centro de Operações da Polícia Militar de São Paulo) e fornecia informações para quadrilha a exemplo de posicionamento dos carros policiais na região em que os criminosos planejavam realizar os assaltos.

Em 1º de outubro de 2016, a cabo foi presa por ordem da 3ª Vara Criminal de Sorocaba. O UOL apurou que agentes da Corregedoria da PM paulista cumpriram mandados de busca e apreensão em sua casa, localizada em um bairro da zona sul de São Paulo. No local, foi encontrada uma munição de fuzil. Em juízo, a acusada afirmou que sua mãe achou a munição na rua e a trouxe para casa.

A PM chegou a responder a um processo criminal por infringir um artigo da Lei Nacional de Desarmamento que "proíbe manter de guarda ou ocultar arma de fogo, acessório ou munição de uso proibido ou restrito, sem autorização e em desacordo com determinação legal ou regulamentar".

O juiz absolveu a policial por "falta de provas" e o MP (Ministério Público) recorreu da decisão. A PM acusada foi solta por decisão judicial em abril deste ano. Ela ainda responde a outro processo por ser supostamente informante da quadrilha.

Grupo age pelo menos desde 2016

O MPF em São Paulo ofereceu denúncia contra oito integrantes da quadrilha que, em março, realizou assaltos a bancos em Aguaí -- distante 197 km da capital paulista. Eles são acusados de tentativa de latrocínio e disparo de arma de fogo em vias públicas.

Ligados ao PCC, os criminosos utilizaram explosivos, fuzis e metralhadoras para roubar dinheiro e equipamentos de agências da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil no centro da cidade. Os crimes foram cometidos durante a madrugada de 17 de março.

O primeiro assalto ocorreu na agência da Caixa, onde os denunciados explodiram o cofre e levaram quantia ainda não contabilizada, além de um computador. No Banco do Brasil, eles conseguiram roubar apenas dois televisores, pois, apesar dos estragos, os explosivos não foram suficientes para arrombar o local onde estava o dinheiro.

Durante a ação, parte dos criminosos tentou interceptar carros policiais que se dirigiam aos bancos e trocou tiros com PMs - um policial foi ferido no ombro por disparos de fuzil.

Agentes do Deic, que já monitorava a organização criminosa, encontraram o grupo em um esconderijo no bairro Engenheiro Mendes -- na cidade de Aguaí -- após os assaltos. Após um tiroteio, um criminoso foi morto e os demais conseguiram fugir. Dias depois, em outra operação, ao menos dois deles foram presos pela Polícia Civil.

Ao longo da apuração, os investigadores identificaram uma divisão precisa de tarefas entre os criminosos. Enquanto alguns estavam incumbidos de planejar o esconderijo e a fuga, outros ficaram responsáveis por atividades operacionais, como transporte, segurança e retaguarda, manejo de armas e explosivos e a invasão às agências. Na véspera dos assaltos, vários deles se reuniram no Grajaú, em São Paulo, para tratar do ataque.

A organização criminosa atuava pelo menos desde outubro de 2016. Os réus já haviam participado de outros assaltos a caixas eletrônicos, também com uso de explosivos. Entre janeiro e fevereiro, eles atacaram agências bancárias de Araçariguama e estouraram terminais instalados dentro do Hospital das Clínicas de São Paulo e do Hospital Padre Bento, em Guarulhos, informa o MPF em São Paulo.

Sindicância da PM foi arquivada

Em nota, a Polícia Militar do Estado de São Paulo afirmou que a PM respondeu a uma investigação interna no âmbito administrativo, mas o processo foi arquivado por falta de provas.

Ela está afastada de suas funções por causa de uma licença de saúde. A reportagem ligou para os telefones dos advogados que defenderam no processo criminal na Justiça paulista, entre os dias de sexta-feira (1º) e terça-feira (5), mas ninguém atendeu as ligações.

Vídeo mostra momento em que psicóloga é morta pelo PCC

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos