Topo

Busca por aluno em Suzano mobiliza família: "Só quero saber se está lá"

Talita Marchao

Do UOL, em Suzano

13/03/2019 15h30Atualizada em 13/03/2019 19h13

"Você conhece um Murilo, cabeludinho? Sabe se ele ficou lá dentro?" Foi assim que o autônomo Cláudio Cabral abordou um dos estudantes sobreviventes do ataque a tiros na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), em busca de informações do sobrinho, Murilo. Atualização: o nome de Murilo foi incluído entre os feridos no balanço das 18h45. Ele está em quadro estável, no PS de Suzano.

A família já esteve nos hospitais indicados por autoridades para busca por feridos, mas não tem notícias do jovem de 14 anos. Soube por informações de alunos que a namorada de Murilo teria sido uma das pessoas que foram alvo de tiros. "Atenderam o telefone dele, um colega. Mas depois ligamos e só deu caixa postal", disse Cláudio. A mãe foi até um hospital de Mogi das Cruzes, enquanto ele foi até a Santa Casa de Suzano. "A gente sabe que tem crianças ainda dentro da escola, quero saber se ele está lá ou não", afirmou.

"A gente sabe que ele estava na escola", explicou Cláudio, que sofreu com a falta de informações no local. "Os guardas não sabem dizer se ele estava dentro ou não", lamentou.

A Secretaria de Segurança Pública confirmou que nove pessoas morreram na escola, sendo cinco alunos, dois funcionários e os dois atiradores, que cometeram suicídio. Além disso, uma pessoa morreu após ser atacado pelos dois atiradores em uma locadora de veículos próxima à escola.

Veja abaixo a relação dos mortos no massacre de Suzano

Atiradores

  • Guilherme Taucci Monteiro, 17 anos
  • Luiz Henrique de Castro, 25 anos

Estudantes

  • Kaio Lucas da Costa Limeira, 15
  • Claiton Antônio Ribeiro, 17
  • Caio Oliveira, 15
  • Samuel Melquíades Silva de Oliveira, 16
  • Douglas Murilo Celestino, 16 (chegou a ser levado pelo Samu, mas morreu a caminho do hospital)

Funcionárias da escola

  • Marilena Ferreira Vieira Umezo, coordenadora pedagógica
  • Eliana Regina de Oliveira Xavier, agente de organização escolar

Morto fora da escola

  • Jorge Antônio Morais, dono de uma loja de carros e que foi morto antes do massacre na escola

Como foi a ação

Segundo o comandante-geral da Polícia Militar de São Paulo, coronel Marcelo Salles, antes de chegar à escola, os dois atiradores dispararam contra o dono de uma loja de veículos próximo à unidade de ensino. Ele foi socorrido para a Santa Casa de Misericórdia em Suzano, mas não resistiu.

Da loja, eles se dirigiram à escola. Um vídeo de uma câmera de segurança mostra os dois atiradores chegando na escola em um carro branco.

Eles entraram pela porta da frente, atiraram contra a coordenadora pedagógica e contra outra funcionária da escola. "Estava na hora do lanche. Eles se dirigiram ao pátio, atiraram em mais quatro alunos do ensino médio. Nesse horário, só tínhamos alunos do ensino médio", disse Salles.

Do pátio, os atiradores seguiram em direção ao centro de línguas. "Os alunos do centro de língua se fecharam na sala junto com a professora e eles [os atiradores] se suicidaram no corredor", concluiu.

Errata: o texto foi atualizado
Inicialmente, a SSP informou que Pablo Henrique Rodrigues estaria entre os mortos. Em atualização do início da noite, a Secretaria retirou o nome de Pablo da lista e incluiu o de Kaio Lucas da Costa Limeira.

Mais Cotidiano