Topo

Tiros deixam 10 mortos em escola de Suzano (SP)

Mirthyani Bezerra, Nathan Lopes e Eduardo Lucizano*

Do UOL, em São Paulo

13/03/2019 10h03Atualizada em 14/03/2019 13h11

Resumo da notícia

  • 2 ex-alunos entraram em uma escola em Suzano (SP) e atiraram
  • 7 pessoas morreram no local: 5 alunos e 2 funcionários
  • Um dos assassinos matou o outro e, depois, cometeu suicídio
  • Antes, os assassinos mataram um comerciante na região
  • Polícia identificou os assassinos: Guilherme Taucci Monteiro, 17, e Luiz Henrique de Castro, 25

Dois ex-alunos efetuaram disparos dentro de uma escola em Suzano (Grande São Paulo) matando ao menos sete pessoas no local na manhã de hoje, segundo informações da Polícia Militar. Antes, os assassinos mataram um comerciante na região. Com a chegada da polícia à escola, um dos assassinos matou o outro e, depois, cometeu suicídio, totalizando em dez o número de mortos na ação.

Entre os mortos na Escola Estadual Professor Raul Brasil, estão cinco alunos do ensino médio e dois funcionários. A Secretaria da Segurança Pública informou que os atiradores foram identificados como Guilherme Taucci Monteiro, 17, e Luiz Henrique de Castro, 25, e que ambos eram ex-alunos da escola. Não se sabe o que motivou o crime.

O governo do estado informou que outras 11 pessoas ficaram feridas. Todas estão internadas.

A Escola Estadual Raul Brasil fica na rua Otavio Miguel da Silva, no bairro Parque Suzano. Segundo o Censo Escolar 2017, a unidade de ensino tem 105 funcionários e 1.067 alunos. Os estudantes vão do quinto ano do ensino fundamental ao ensino médio, sendo a maioria alunos de ensino médio.

Veja os nomes dos mortos em Suzano

Assassinos

  • Guilherme Taucci Monteiro, 17 anos
  • Luiz Henrique de Castro, 25 anos

Estudantes

  • Kaio Lucas da Costa Limeira
  • Cleiton Antônio Ribeiro
  • Caio Oliveira
  • Samuel Melquíades Silva de Oliveira
  • Douglas Murilo Celestino

Funcionárias da escola

  • Marilena Ferreira Vieira Umezo, coordenadora pedagógica
  • Eliana Regina de Oliveira Xavier, agente de organização escolar

Comerciante

  • Jorge Antônio Morais, dono de uma loja de carros e que foi morto antes do massacre na escola

Como foi a ação

Segundo Salles, antes de chegar à escola, os dois atiradores dispararam contra o dono de uma loja de veículos próximo à unidade de ensino. O homem, identificado como Jorge Antonio Morais, 51, foi socorrido de helicóptero para o Hospital das Clínicas, na capital paulista, mas não resistiu.

Da loja, os criminosos se dirigiram à escola. Um vídeo de uma câmera de segurança mostra os dois atiradores chegando à escola no veículo branco, em frente à entrada da unidade de ensino.

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Eles entraram pela porta da frente, atiraram contra a coordenadora pedagógica e contra outra funcionária da escola. "Estava na hora do lanche. Eles se dirigiram ao pátio, atiraram em mais quatro alunos do ensino médio. Nesse horário, só tínhamos alunos do ensino médio", disse Salles.

Do pátio, os atiradores seguiram em direção ao centro de línguas. "Os alunos do centro de línguas se fecharam na sala junto com a professora e eles [os atiradores] se suicidaram no corredor", concluiu.

Assassinos usaram revólver e besta

Ainda segundo Salles, os dois usaram um revólver calibre 38 e uma besta (espécie de arco e flecha disparado por um gatilho). Eles fizeram uso de quatro carregadores de munição, conhecidos como jet loaders.

"É uma ação vil, totalmente imponderada. Eu tenho 34 anos de serviço e não tinha visto ainda uma ocorrência com um artefato desse, a besta. Totalmente despropositado e imponderável", disse Salles.

Vídeo mostra corpos na escola

Um vídeo compartilhado nas redes sociais mostra o interior da escola após o massacre. Nas imagens é possível ver pelo menos quatro corpos no chão, enquanto outros estudantes correm desesperados e gritando.

Fotos mostram também dois corpos que seriam dos atiradores. Um deles usava uma máscara de caveira, boné e roupas pretas, cinto e luvas. É possível ver uma besta ao lado dos corpos.

Testemunhas relatam pânico

Uma mulher que se identificou apenas como Andrea contou, em entrevista à GloboNews, que a filha de 15 anos estuda na escola e contou que era hora do intervalo, escutou um tiro e achou que era uma bomba.

"Aí [ela disse que] escutou outro tiro e ouviu gente falando: "Corre, corre". Os alunos correram em direção ao banheiro, se tumultuaram lá e eles [os atiradores] não pararam de atirar", disse.

Um aluno que não foi identificado falou à CBN que viu um dos alunos parado em choque e que ele levou dois tiros, no peito e na barriga. "Eu só olhei para o meu irmão, peguei meu irmão e a gente só correu", contou.

Doria lamenta

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), foi até o local do massacre. "A cena mais triste que já assisti em toda minha vida e fico muito triste que este fato ocorra no nosso país e aqui em São Paulo", disse o governador.

* Colaborou Luís Adorno, do UOL em São Paulo.

Errata: o texto foi atualizado
Inicialmente, a SSP informou que Pablo Henrique Rodrigues estaria entre os mortos. Em atualização do início da noite, a Secretaria retirou o nome de Pablo da lista e incluiu o de Kaio Lucas da Costa Limeira.

Mais Cotidiano