Topo

Servidor é preso suspeito de estupros em série de crianças em Maceió

Casa que era usada por suspeito de estupro em série em Alagoas - Divulgação/Polícia Civil de Alagoas
Casa que era usada por suspeito de estupro em série em Alagoas Imagem: Divulgação/Polícia Civil de Alagoas

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

15/04/2019 11h42Atualizada em 15/04/2019 14h53

A Polícia Civil de Alagoas prendeu hoje um servidor da Câmara dos Vereadores de Maceió suspeito de estupro em série de crianças e adolescentes entre 11 e 18 anos. Benício Vieira de Lima, 46, foi detido no bairro litorâneo de Guaxuma, em operação nesta manhã na capital alagoana. Segundo as investigações, os crimes ocorriam dentro de uma casa que servia para atendimento a população no bairro do Farol.

Segundo a polícia, há 19 crimes em apuração contra o servidor, sendo que nove deles já estariam confirmados, e outras vítimas já procuraram as autoridades para denunciar o caso. A defesa do suspeito diz que ele nega as acusações.

De acordo com a investigação, o suspeito vinha cometendo os crimes desde de 2015. Dos casos denunciados, nove foram confirmados por meio do reconhecimento das vítimas e outros 10 estão sendo apuradas.

As investigações foram iniciadas a partir de um relatório da Secretaria Estadual da Saúde, entregue à Secretaria de Segurança Pública, indicando três vítimas de violência sexual, sendo duas menores e uma maior de 18 anos. Todas as características apontavam para o mesmo autor e o mesmo modo de operação.

Policiais realizam buscas em quarto que seria utilizado por suspeito de estupro - Divulgação/Polícia Civil de Alagoas
Policiais realizam buscas em quarto que seria utilizado por suspeito de estupro
Imagem: Divulgação/Polícia Civil de Alagoas
Segundo a polícia, o suspeito realizava em média de três a quatro vítimas em cada série de ataques, inclusive contra crianças --o que caracteriza crime de pedofilia.

"O modo de agir era abordar as vítimas com uma história de que a filha estava numa igreja e não sabia como chegar ao local. (Ele) insistia e até mesmo chorava para enganar a vítima, que se compadecia e entrava no carro. As que negavam, ele mostrava uma arma", informou a polícia.

Os crimes eram cometidos ainda no carro do suspeito. "Após entrar no veículo - um Corolla de cor prata -, na sua maioria, ele deitava a vítima no banco e cobria o rosto dela com um pano, e no percurso já começava os atos de violência sexual, bolinando as garotas. Sempre que chegava à casa, pedia para alguém abrir o portão, levava para um quarto próximo à garagem e fazia sempre violência de sexo vaginal, anal e oral. Depois dos atos, levava as vítimas para próximo do local onde anteriormente realizara a abordagem", afirmou.

Vereador se diz surpreso; Câmara exonera suspeito

O servidor era funcionário do vereador Chico Filho (PP), que afirmou em nota que "está assustado da mesma forma que toda sociedade, pois o assessor tinha mais de 15 anos de convívio familiar" e que "em nenhum momento sabia do uso de seus veículos ou de seu escritório para prática de crimes".

Já a Câmara Municipal divulgou nota de repúdio aos crimes e informou a imediata demissão. "A Mesa Diretora da Casa apoia o posicionamento do vereador Chico Filho e já determinou a imediata exoneração do servidor lotado no gabinete do referido parlamentar, além da abertura de inquérito administrativo para investigar o uso indevido de possível veículo pertencente a este Poder", disse.

Outro lado

O advogado Adriano Bispo, que defende o suspeito, diz que ele nega as acusações de estupro. "A princípio ele nega, mas ainda não tivemos acesso às informações do inquérito para saber bem quais as acusações. O que sabemos é que houve alguns reconhecimentos dele, mas não podemos entrar em detalhes porque são acusações graves e complexas", disse.

Segundo o advogado, existem quatro mandados de prisão em aberto contra seu cliente, mas ele nega as denuncias.

Cotidiano