Topo

IML: jovem achada no Paranoá com marcas morreu afogada; família contesta

Natália Ribeiro dos Santos, encontrada morta no Lago Paranoá, em Brasília - Reprodução/Instagram
Natália Ribeiro dos Santos, encontrada morta no Lago Paranoá, em Brasília Imagem: Reprodução/Instagram

Jéssica Nascimento

Colaboração para o UOL, em Brasília

11/04/2019 20h07Atualizada em 12/04/2019 09h18

Um laudo realizado pelo IML (Instituto de Medicina Legal atestou que Natália Ribeiro dos Santos Costa, 19, morreu vítima de asfixia por afogamento. De acordo com a Polícia Civil, o relatório também aponta que as marcas e escoriações que estavam no corpo da estudante aconteceram após a morte dela. A defesa da vítima, porém, contesta a versão de afogamento involuntário.

O corpo da jovem foi encontrado boiando no Lago Paranoá, em Brasília, no dia 1° de abril.

Natália foi vista pela última vez em um churrasco com amigos no Clube Almirante Alexandrino (Caalex), no dia 31 de março. Segundo testemunhas, a mulher desapareceu após entrar na água com um jovem de 19 anos. Wendel Yuri de Souza Caldas foi ouvido pela polícia e liberado. Imagens do local mostram os dois juntos dentro da água.

O laudo foi concluído ontem (10). Segundo o documento, a jovem não sofreu violência sexual e não estava com o nariz quebrado, como a família afirmou no enterro de Natália.

A 5ª Delegacia de Polícia, responsável pela pela área Central de Brasília e que investiga o caso, disse que aguarda a finalização da autópsia, com o exame toxicológico e os relatórios da perícia do local da morte.

Wendel Yuri, segundo a polícia, tem uma marca de mordida no braço, o que levantou a suspeita de homicídio. Ele passou por exames no Instituto Médico Legal (IML) para verificar se a arcada dentária é da universitária.

Não foi feminicídio, diz defesa

O defensor público do Distrito Federal Carlos André Praxedes afirmou que não houve feminicídio, já que segundo testemunhas, a vítima e Wendel Yuri não se conheciam.

"Nos entendemos que a família queira culpar alguém, para uma ajuda até psicológica. Mas essa hipótese de que foi feminicídio é fantasiosa. Não havia nenhuma relação entre eles. Os jovens se conheceram no dia do churrasco", disse o defensor do rapaz.

Praxedes também afirmou que tanto o jovem quanto as testemunhas relataram o estado alcoolico em que Yuri estava. "As amigas dela disseram em depoimento que ele estava muito bêbado, que mal conseguia ficar em pé. É importante ressaltar principalmente que todos disseram que não havia indícios de agressividade da parte dele."

Natália não estava bêbada e sabia nadar, diz advogada

A advogada da família de Natália disse que a jovem não ingeriu bebidas alcoolicas no churrasco e contesta a versão de afogamento involuntário.

"Ela não bebeu. Sabia nadar e, inclusive, mergulhava fazendo uso de equipamentos próprios. Temos vídeos que mostram ela mergulhando perfeitamente. A água do lago é rasa e o ponto mais fundo atingia o pescoço dela", disse Juliana Zappalá Porcaro Bisol.

Ao UOL, Juliana também informou que vai entrar com uma reclamação na Corregedoria, já que considera que a delegacia está com "descaso" do processo.

Jovem é achada morta em lago de Brasília

Band News
Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado na reportagem, Natália Ribeiro dos Santos Costa foi vista pela última vez no dia 31 de março. O texto foi corrigido.

Mais Cotidiano