PUBLICIDADE
Topo

Em 25 anos, PF apreende 57 vezes mais droga, mas admite crime mais forte

Cadela da PM localiza 727 kg de droga escondidos em barraco de Paraisópolis, em SP - Divulgação/PM
Cadela da PM localiza 727 kg de droga escondidos em barraco de Paraisópolis, em SP Imagem: Divulgação/PM

Vinicius Konchinski

Colaboração para o UOL, em Curitiba

26/02/2020 12h00

O ministro da Justiça, Sergio Moro, usou seu perfil no Twitter em novembro para divulgar a quebra de mais um recorde de apreensão de cocaína batido pela PF (Polícia Federal). Na ocasião, Moro ressaltou que o volume da droga recolhido no ano já era superior ao dobro do apreendido no mesmo período de 2017.

A PF, aliás, vem quebrando ano após ano recordes de apreensões de drogas. Nos últimos 25 anos, a quantidade de cocaína e maconha tomada de traficantes pela corporação aumentou 5.708%.

Acontece que, segundo a própria PF, isso não foi suficiente para reduzir o consumo de entorpecentes no país nem enfraquecer as organizações criminosas.

Pelo contrário. Apesar da intensificação do combate ao comércio ilegal, especialistas ouvidos pelo UOL dizem que o uso de drogas aumentou e o crime está mais forte.

A constatação foi reforçada pelo delegado Elvis Secco, coordenador-geral de Repressão a Drogas e Facções Criminosas da PF: "O poder do crime organizado aumentou porque o tráfico de drogas é extremamente lucrativo. A apreensão de drogas não é suficiente para combater as organizações", disse ele ao UOL.

Procurado, o Ministério da Justiça e Segurança Pública não se pronunciou sobre a política de apreensões e combate ao tráfico de drogas.

Consumo impulsiona tráfico

O professor do Instituto de Relações Internacionais da USP (Universidade de São Paulo), Leandro Piquet Carneiro, especialista em questões de segurança, explicou que o aumento das apreensões de droga pela PF está diretamente ligado ao crescimento e disseminação do consumo delas no país.

Segundo ele, em 1995, o uso de cocaína, por exemplo, estava concentrado principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro. Por isso, naquele ano, as apreensões da droga eram maiores ali e no Mato Grosso do Sul, estado em que cocaína produzida na Bolívia entra no Brasil.

"O consumo de cocaína cresceu e se espalhou, principalmente por causa do crack [derivado da cocaína]", afirmou Carneiro. "Com mais gente usando droga, os carregamentos aumentaram, a PF se aperfeiçoou e apreendeu mais."

13.mai.2019 - PF e Receita Federal apreenderam 1.038 quilos de cocaína no Porto de Natal; droga foi encontrada em carregamento de mangas - Divulgação/Polícia Federal
13.mai.2019 - PF e Receita Federal apreenderam 1.038 quilos de cocaína no Porto de Natal; droga foi encontrada em carregamento de mangas
Imagem: Divulgação/Polícia Federal

Apreensões de droga

1995

Maconha - 3.268 kg
Cocaína - 3.112 kg
Total - 6.380 kg

2019

Maconha - 265.991 kg
Cocaína - 104.582 kg
Total - 370.571 kg

Aumento

Maconha - 8.039%
Cocaína - 3.260%
Total - 5.708%

Fonte: PF

Apreensão subiu, mas preço da droga caiu, observa especialista

Guaracy Mingardi, membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, ratificou a visão de Carneiro sobre a importância do consumo para o aumento das apreensões. "Na década de 90, a cracolândia de São Paulo tinha cem pessoas. Hoje circulam 2.000 todo dia", disse ele.

Mingardi afirmou que as apreensões de droga não afetam a demanda pelo entorpecente. Poderiam até causar um aumento de preço, o que dificultaria o consumo. Na prática, porém, o que se viu nos últimos anos foi um barateamento da droga, o que sinaliza que a oferta dela aumentou mesmo com todo o esforço de combate ao narcotráfico.

"Uma pedra de crack em 1995 custava entre R$ 8 e R$ 10. Hoje, custa R$ 5", disse. "O tráfico se 'profissionalizou' com o fortalecimento das facções como o PCC [Primeiro Comando da Capital], que hoje controla a venda nacional."

Polícia encontra plantação de maconha de 80 mil pés na Bahia

Band Notí­cias

Apreender droga não resolve, diz delegado

O presidente da ADPF (Associação Nacional dos Delegados da PF), Edvandir Paiva, disse que apreender entorpecentes no Brasil é como "enxugar gelo".

Ele lembrou que outros países têm repensado a criminalização das drogas, pois avaliam que a guerra contra seu comércio ilegal está perdida.

"Sabemos que apreender droga não resolve", disse o delegado. "Moro faz propaganda dos dados, mas eles não representam muita coisa."
Paiva disse que, de dez anos para cá, a PF tem focado seu trabalho na prisão de líderes de quadrilhas e no bloqueio de bens do tráfico.

O presidente da ADPF informou que, em 2010, foram bloqueados a pedido da PF R$ 19 milhões em bens do crime organizado. Em 2019, foram R$ 654 milhões — aumento de 3.340%.

"Descapitalizar é um caminho", complementou Mingardi. "Mas temos que ter ciência de que, quando a PF fecha uma porta, o crime abre outra"

O delegado da Elvis Secco, chefe da CGPRE (Coordenação-geral de Repressão a Drogas e Facções Criminosas) da PF, confirmou que a prioridade da corporação hoje é descapitalizar facções, prender líderes do tráfico e cooperar com outros países para erradicar o plantio de maconha, por exemplo.

Cotidiano